Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Fundos imobiliários

Últimas notícias sobre "Fundos imobiliários" publicadas em idealista.pt/news

Câmara do Porto vai estudar benefícios de dois fundos imobiliários criados por Rui Rio

A Câmara do Porto vai encomendar um estudo externo para analisar que benefícios a autarquia obteve com a participação em dois fundos imobiliários constituídos há cerca de 15 anos, durante a presidência de Rui Rio. O pedido surgiu da bancada socialista, na reunião do executivo na manhã desta segunda-feira, 14 de junho de 2021, onde foi aprovada a liquidação e repartição dos imóveis referentes ao Fundo “Porto D’Ouro”, cuja liquidação impõe ao município, contas feitas, o pagamento de uma compensação no montante máximo de cerca de quatro milhões de euros.

Notícia sobre:

Imóveis do Novo Banco: empresário que vendeu sociedades ao Anchorage rejeita ligações ao fundo

António João Barão, empresário que vendeu cinco sociedades imobiliárias a uma empresa do Luxemburgo através da qual o fundo Anchorage adquiriu ao Novo Banco (NB) uma carteira de imóveis por 364 milhões de euros, o projeto Viriato, disse que “não sabia a quem é que ia vender” as referidas sociedades. 

Notícia sobre:

B&B Hotel Lisboa Aeroporto vendido ao fundo francês MNK Partners por 14 milhões de euros

A cadeia hoteleira B&B Hotels anunciou a venda do B&B Hotel Lisboa Aeroporto, localizado junto ao aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, ao fundo francês MNK Partners por 14 milhões de euros. Trata-se de um hotel que foi construído pelo Grupo Casais e promovido e financiado pela B&B Hotels com o objetivo de o vender e arrendar em simultâneo a um fundo imobiliário através de um contrato de arrendamento garantido a longo prazo, explica o grupo hoteleiro em comunicado.

Notícia sobre:

Novo Banco recupera (para já) 6,5 milhões de euros do fundo imobiliário do GES Invesfundo III

Quando ainda havia o Grupo Espírito Santo (GES), o Banco Espírito Santo (BES) lançou, em conjunto com construtores e promotores imobiliários, vários fundos imobiliários designados Invesfundo. O terceiro destes veículos, o Invesfundo III, que foi herdado pelo Novo Banco (NB) e entrou em insolvência em junho de 2020, está agora pronto para começar a reembolsar os credores, sendo que cabe à entidade liderada por António Ramalho a maioria dos créditos: 58 milhões de euros.

Notícia sobre:

Banco Carregosa quer passar a gerir os seus fundos imobiliários

O Banco Carregosa constituiu, no final de 2020, uma sociedade para gerir os seus fundos imobiliários, até à data nas mãos da Atlantic, mas quer, agora, assumir a gestão dos mesmos. Em causa estão veículos focados no retalho alimentar, escritórios e logística. A entidade liderada por Maria Cândida Rocha e Silva reclama a gestão, nomeadamente, de um fundo focado no arrendamento de imóveis a marcas como o Continente, com um ativo líquido de mais de 30 milhões de euros.

Notícia sobre:

Fundos imobiliários geriam menos 66,4 milhões de euros em janeiro face a dezembro

O valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário portugueses atingiu 10.768,6 milhões de euros em janeiro de 2021, menos 66,4 milhões (0,6%) que no mês anterior. No primeiro mês deste ano, o montante investido nos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) caiu 0,7% para 7.946,9 milhões de euros, tendo recuado também nos Fundos Especiais de Investimento Imobiliário (FEII) – 0,2% para 2.404,3 milhões de euros – e nos Fundos de Gestão de Património Imobiliário (FUNGEPI) – 1,1% para 417,4 milhões de euros.

Notícia sobre:

Fundos de investimento imobiliário fecham 2020 em alta

Em dezembro de 2020, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos Fundos Especiais de Investimento Imobiliário (FEII) e dos Fundos de Gestão de Património Imobiliário (FUNGEPI) atingiu 10.583,6 milhões de euros, mais 159 milhões (1,52%) que no mês anterior, segundo a Comissão do Mercado de valores Mobiliários (CMVM).

Notícia sobre:

Fundo imobiliário suíço Stoneweg investe 100 milhões em armazéns da Glovo - incluindo Portugal

O fundo imobiliário suíço Stoneweg vai investir 100 milhões de euros em ‘dark stores’ da plataforma de entregas ao domicílio Glovo. Em causa estão espaços que funcionam como centros de distribuição para negócios online – que estão a crescer em tempos de pandemia da Covid-19 –, uma espécie de armazéns localizados nos centros das cidades que visam agilizar os processos logísticos e baixar os tempos de entrega dos produtos de supermercado e outros artigos de consumo. Em Lisboa a empresa já tem este tipo de espaços, mas deverá passar a ter também no Porto.

Notícia sobre: