Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Israelitas querem investir cerca de 100 milhões no imobiliário nacional até 2023

A empresa vai iniciar desde já a construção de dois novos projetos imobiliários no Porto. O objetivo é colocar 700 novas casas no mercado português nos próximos anos.

Gabriel Couto
Gabriel Couto
Autor: Redação

O grupo israelita TAGA-URBANIC quer apostar forte no mercado imobiliário português. Depois de vários projetos em Londres, Berlim e Nova Iorque, Portugal é o destino do momento, onde pretende investir cerca de 100 milhões até 2023. O grupo tem como objetivo criar, nos próximos cinco anos, um portefólio de cerca de 700 apartamentos reabilitados, tanto no Porto como em Lisboa. Já tem, de resto, dois projetos em marcha na Invicta.

Desde que chegaram a Portugal, os israelitas fecharam mais de uma dezena de aquisições imobiliárias, entre terrenos e imóveis para construir e/ou reabilitar, numa primeira ronda de investimentos que, ao que tudo indica, é para continuar. A empresa vai iniciar desde já a construção de dois novos projetos imobiliários localizados no concelho do Porto, os empreendimentos “João das Regras” e “Paraíso 49”, respetivamente – ambos ficarão a cargo da construtora Gabriel Couto.

O primeiro empreendimento imobiliário, localizado na Rua João das Regras, dará lugar a 44 unidades habitacionais (estúdios) de tipologia T0 e duas de tipologia T1, “numa organização de espaços residenciais de pequenas dimensões, apoiados e complementados por uma grande sala de estar de condomínio, espaço de lavandaria, um amplo espaço no exterior comum e um espaço técnico de arrecadação”, segundo o comunicado enviado às redações. As áreas oscilam entre os 26 e os 30 metros quadrados (m2), compostos por kitchenette, sala-quarto e wc, enquanto os T1 terão dimensões superiores que oscilam entre os 33 e os 55 m2.

O segundo empreendimento imobiliário, um edifício de habitação multifamiliar localizado na Rua do Paraíso, será constituído por oito pisos, três subterrâneos, um rés-do-chão, três pisos superiores e ainda um recuado, que albergará um total de 18 apartamentos (um T0+1, nove T1, três T1+1, três T2 e dois T3). “Este novo empreendimento imobiliário encontra-se inserido numa zona residencial de excelência da cidade do Porto e será o resultado de um projeto de arquitetura arrojado e contemporâneo”, lê-se ainda.

Este novo edifício de habitação multifamiliar, refere o documento, enquadra-se no tipo de empreendimento para residência permanente, e não para o mercado de aluguer de curta duração.