Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Pandemia põe travão nos projetos de Investimento Direto Estrangeiro anunciados em Portugal em 2019

Dos 158 projetos de investimento anunciados, cerca de 32 (20%) serão adiados, ajustados ou cancelados devido à Covid-19, conclui estudo da EY.

Autor: Redação

Portugal estava (mesmo) na mira dos investidores estrangeiros no período pré-pandemia Covid-19. Só em 2019 foram anunciados 158 projetos de Investimento Direto Estrangeiro (IDE) no país, um valor recorde – mais 114% que os registados em 2018. E mais: estes 158 projetos representam 12.549 postos de trabalho criados, um número que compara com os 6.100 verificados em 2018. Em causa estão dados que constam no estudo EY Attractiveness Survey Portugal 2020, que alerta para o facto da pandemia deixar em risco 20% destes 158 projetos.

O ano de 2019 assume-se como um marco histórico para Portugal no que ao IDE diz respeito”, refere a EY em comunicado, adiantando que o estudo em causa avalia, anualmente, a perceção dos investidores estrangeiros relativamente à atratividade de Portugal enquanto destino de IDE.

Segundo o estudo, dos 158 projetos anunciados no ano passado, 20%, o equivalente a 32, “podem estar em risco de serem adiados, fortemente ajustados ou cancelados”. Trata-se, ainda assim, de “um valor bastante inferior à média europeia (35%) e que se explica pelo perfil do IDE na economia nacional”, conclui a EY, acrescentando que os setores mais afetados são os que já sofrem um maior impacto da crise, nomeadamente Turismo, Imobiliário, Construção e Automóvel.

“Em 2019, Portugal passou para a 11ª posição, entre as economias europeias, em termos de atratividade de IDE, subindo seis posições relativamente ao ranking do ano anterior e alcançando um fatia de 2,5% do total do investimento estrangeiro anunciado para a Europa. Trata-se de uma performance muito positiva que, como acontece a nível global, deverá ser afetada pelos efeitos da Covid-19. Na verdade, por toda a Europa, já se sente o impacto imediato da pandemia nos projetos de IDE – apesar de em menor grau do que o esperado para os novos projetos planeados para 2020. (...) Dos 6.142 projetos de IDE anunciados nas diversas economias europeias, no ano passado, 35% estão em risco de serem adiados, fortemente ajustados ou até cancelados. Contudo, em Portugal, o impacto esperado deverá ser menos severo, com 20% dos 158 projetos anunciados potencialmente em risco”, lê-se no documento.

"Dos 6.142 projetos de IDE anunciados nas diversas economias europeias, no ano passado, 35% estão em risco de serem adiados, fortemente ajustados ou até cancelados"
EY

De acordo com a EY, os EUA foram no ano passado o maior investidor em território português, com 26 projetos anunciados. Seguem-se na lista Alemanha (22) e França (21). Destaque para o facto dos investidores oriundos do Reino Unido terem disparado num ano: o número de projetos anunciados aumentou de seis em 2018 para 15 no ano seguinte.

“A área do Digital reforçou a sua posição de liderança em termos de atratividade, praticamente triplicando os projetos (de 15 para 42) e aumentando significativamente o número de empregos criados (de 1.610 para 3.766). O setor da Fabricação e Fornecimento de Equipamento de Transporte também cimentou o investimento estrangeiro (31 projetos e 4.148 postos de trabalho), com os Serviços Empresariais a ultrapassarem o setor Agroalimentar e passando a ocupar a terceira posição no ranking dos setores de atividade que mais projetos de IDE atraíram em 2019”, conclui o estudo.