Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

AFA e Socicorreia avançam com o Varino 03 em Lisboa e projetam novo empreendimento na capital

Os dois grupos estão a desenvolver em conjunto projetos em Lisboa e Madeira que ascendem a 300 milhões de euros de investimento.

O Varino 02, no Campo Pequeno, foi apresentado sexta-feira (31 de julho de 2020)) / AFA e Socicorreia
O Varino 02, no Campo Pequeno, foi apresentado sexta-feira (31 de julho de 2020)) / AFA e Socicorreia
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

A Varino, empresa detida pelos grupos madeirenses AFA e Socicorreia, vai avançar com um novo empreendimento de habitação em Lisboa, num investimento de 20 milhões de euros. Contudo, numa altura em que o novo projeto, o Varino 03 – apresenta as mesmas características do Varino 02, que está localizado junto ao Campo Pequeno, e que foi apresentado e inaugurado esta sexta-feira (31 de julho de 2020) –, vai iniciar a construção, a empresa já tem “em fase de estudo o Varino 04”, revela ao idealista/news Custódio Correia, CEO grupo Socicorreia. 

A Varino, fundada em 2016, está neste momento a desenvolver projetos habitacionais e de hotelaria na Madeira e em Lisboa, cujos investimentos globais ascendem a 300 milhões de euros. O mais relevante é “um grande empreendimento na Ilha da Madeira, Funchal, na Estrada Monumental, junto ao Fórum, um investimento aproximado de 200 milhões de euros”, destaca o responsável.

O empreendimento, conhecido por “Dubai na Madeira”, deverá ter cerca de 420 apartamentos, com tipologias de T1 a T4, com maior peso de T2 e T3, e encontra-se em fase final de licenciamento.

Apesar dos efeitos provocados pela pandemia da Covid-19 no imobiliário e turismo, Custódio Correia adianta que os investimentos em curso são para manter: “Até agora não sentimos necessidade de alterar ou adaptar os projetos. Vamos manter o que temos em curso”.

Contudo, em relação a um projeto hoteleiro previsto para o Funchal, o responsável conta que “ainda há hipótese de executar o projeto como construção de habitação, comércio e serviços”.

Reforçar posição em Lisboa

Com a conclusão do segundo edifício de habitação em Lisboa, o Varino 02, junto ao Campo Pequeno, “a Varino atinge os 55 milhões de euros de investimento no continente, aplicados nos últimos três anos, e quer continuar a reforçar a sua posição”, frisa o CEO grupo Socicorreia. “O Varino 01 está comercializado, o Varino 02 está vendido aproximadamente 90% e o Varino 03 [também na capital] ainda não abrimos para vendas. Os preços médios rondam os 5.500 a 8.000 euros por metro quadrado (m2)”, acrescenta.

De acordo com o responsável, a aposta na componente residencial passa pelo “segmento médio alto e as principais características são o design, qualidade e versatilidade dos empreendimentos”.

O Varino 02 tem vista para a Praça de Touros do Campo Pequeno / AFA e Socicorreia
O Varino 02 tem vista para a Praça de Touros do Campo Pequeno / AFA e Socicorreia

Custódio Correia frisa, ainda, que “os projetos de habitação variam consoante a cidade e, dentro da cidade, do local onde se situam e a área envolvente”. E mais: variam, ainda, consoante os clientes, ou seja, “se são direcionados para um público estrangeiro ou nacional”.

Varino 02 representou investimento de 18 milhões de euros

O Varino 02, já concluído, situa-se na Avenida da República, n.º 81, junto ao Campo Pequeno, tendo sido reabilitado seguindo a sua estrutura de construção original. Representou um investimento de 18 milhões de euros e conta com 30 apartamentos acima do solo, com tipologias T1, T2, T3 e T4, distribuídos em 10 pisos e com um espaço comercial. O edifício apresenta certificação energética classe A e dispõe ainda de quatro pisos de estacionamento abaixo do solo.

Caracteriza-se por “uma arquitetura moderna com aplicação de materiais de alta resistência e durabilidade que implicam baixos custos de manutenção e conservação no futuro”, destaca a empresa.

Depois da conclusão desta obra, a Varino “pretende continuar a reforçar a sua posição, avançando para o início da construção de mais um edifício”, reafirma o responsável.