Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Revive Natureza com quase 100 manifestações de interesse em menos de um mês – são 16 imóveis

Em causa está a atribuição dos direitos de exploração de 16 imóveis. Empresas podem candidatar-se até 19 de outubro de 2020.

Antigo Posto Fiscal da Corte Velha é um dos 16 imóveis a concurso / Revive Natura
Antigo Posto Fiscal da Corte Velha é um dos 16 imóveis a concurso / Revive Natura
Autor: Redação

Os primeiros concursos para a atribuição dos direitos de exploração de 16 imóveis afetos ao Fundo Revive Natureza receberam, em menos de um mês – foram lançados a 21 de julho de 2020 –, quase 100 manifestações de interesse, de vários investidores, revela o gabinete do ministro de Estado da Economia e Transição Digital, em comunicado. As empresas podem apresentar as suas candidaturas até dia 19 de outubro, através do preenchimento do formulário disponível no site do Fundo Revive Natureza.

“Face ao interesse que a iniciativa tem alcançado, a Turismo Fundos, que lançou os concursos, em colaboração com as entidades regionais de turismo e as câmaras municipais envolvidas, irá promover a realização de sessões de esclarecimento, com o objetivo de dar a conhecer as condições dos concursos para a exploração de cada imóvel e proporcionar o acesso a toda a informação para que os empresários possam formalizar as suas candidaturas”, lê-se no documento. As datas destas sessões de esclarecimento e divulgação, que serão realizadas em cada região, serão entretanto divulgadas.

De acordo com o Governo, os 16 imóveis públicos a concurso – estão devolutos e encontram-se distribuídos por 12 municípios, sendo que podem ser consultados neste link – serão agora objeto de requalificação e valorização, com vista de dotá-los de novas utilizações para fins turísticos, promovendo, assim, o desenvolvimento regional e local.

“Aproveitando o profundo conhecimento que os municípios têm sobre a realidade local, e no âmbito das suas competências, estão a ser celebrados protocolos de colaboração com as 12 câmaras municipais onde se localizam os imóveis, com vista à sua participação no processo de concurso, nomeadamente no acompanhamento dos interessados na realização de visitas aos locais e esclarecimento de dúvidas, e, posteriormente, durante as fases de concretização do projeto, desde o licenciamento das obras e até ao início da exploração”, esclarece a nota enviada às redações.