Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Convento do Carmo em Moura “renasce” como hotel de 5 estrelas após investimento de 11 milhões

Em causa está um investimento de 11 milhões de euros, adiantou a Câmara Municipal de Moura.

Revive
Revive
Autor: Lusa

O Convento do Carmo, em Moura (Beja), vai ser reconvertido num hotel de cinco estrelas, num investimento de 11 milhões de euros, revelou a Câmara Municipal de Moura (CMM). Em causa está um imóvel histórico localizado no centro histórico de Moura que se encontra degradado.

“Trata-se de um investimento, na ordem dos 11 milhões de euros, da Sociedade de Promoção de Projetos Turísticos e Hoteleiros (SPPTH)”, entidade que também já é proprietária do Hotel Convento de Espinheiro, em Évora”, adiantou a autarquia, num comunicado enviado à agência Lusa.

Com “abertura prevista para 2022”, o novo empreendimento vai “nascer” depois de o convento ter sido concessionado por 50 anos para fins turísticos à SPPTH, em setembro do ano passado, ao abrigo do programa Revive.

Este é um programa conjunto dos ministérios da Economia, da Cultura e das Finanças, em colaboração com as autarquias abrangidas, que prevê ceder imóveis públicos a privados para serem recuperados e usados para atividades económicas.

Edificado em 1251, o Convento do Carmo em Moura foi o 1.º da Ordem Carmelita fundado na Península Ibérica, referiu a autarquia.

“No século XVI sofreu transformações profundas, tendo sido construída nessa altura a igreja, os claustros e as capelas”, evocou a câmara, destacando ainda que “foi deste convento que saíram os monges que fundaram o Convento do Carmo, em Lisboa”.

O imóvel está localizado próximo do Castelo de Moura, “sendo que o conjunto que engloba a igreja e o claustro do convento está classificado como imóvel de interesse público desde 1944”, acrescentou.

O contrato de concessão do Convento do Carmo foi assinado em 18 de setembro do ano passado, mas já antes, em 21 de agosto, aquando da adjudicação da recuperação do imóvel, o presidente da CMM, Álvaro Azedo, congratulou-se à Lusa por a SPPTH pretender dar “uma nova alma” ao espaço.

“Juntaram-se todos os ‘ingredientes’ necessários para que tivéssemos investimento em Moura e para criar riqueza e mais camas turísticas para o futuro”, assim como para “voltarmos a ter o nosso Convento do Carmo com o brilho que merece”, afirmou então o autarca alentejano.

Álvaro Azedo admitiu na altura tratar-se de um imóvel, onde funcionou o antigo hospital local, especialmente acarinhado pelos habitantes, que se encontravam “muito desalentados” por este estar “bastante degradado”.

“Vai ter outro uso, é certo, mas as pessoas sentem-no como seu, porque muitos de nós nascemos naquele convento, e este é o investimento certo para lhe dar uma nova alma”, argumentou.