Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

El Corte Inglês ultima negociações com IP sobre terreno onde quer construir nova loja no Porto

Diretor-geral da empresa espanhola, Enrique Hidalgo, confirma que está prestes a concluir-se o processo de passagem do direito de utilização da superfície.

El Corte Inglês em Gaia vai manter as portas abertas, e ter oferta complementar, diz a empresa. / Wikimedia commons
El Corte Inglês em Gaia vai manter as portas abertas, e ter oferta complementar, diz a empresa. / Wikimedia commons
Autor: Redação

O El Corte Inglés e a Infraestruturas de Portugal (IP) estão prestes a concluir o processo de passagem do direito de utilização da superfície do terreno da antiga estação ferroviária da Boavista, no Porto, para a cadeia espanhola. A empresa pretende construir ali um complexo de novos armazéns, tendo para isso recebido já parecer favorável da Câmara do Porto. O objetivo é manter a funcionar, em paralelo, a loja de Gaia.

O diretor-geral da empresa, Enrique Hidalgo, confimando estas informações ao Jornal de Notícias, declarou que o investimento no terreno, para construir uma nova loja, será de “centenas de milhões de euros” para construir uma nova loja.

Ainda sem data para o arranque das obras de construção dos vários edifícios previstos, devido a “alguns constrangimentos administrativos” não especificados, Enrique Hidalgo garante que deste investimento vai resultar “um grande armazém”, caraterizado por ser “um espaço comercial organizado por departamentos e no formato vertical, diferente, portanto, de um centro comercial ou de um hipermercado. No entanto, procuraremos adaptar o projeto à cidade e ao local concreto em que será construído e complementar a oferta que já existe em Gaia”, acrescentou.

Além da nova loja El Corte Inglés, o projeto imobiliário da empresa espanhola para o Porto prevê a construção de um hotel, um edifício para habitação, comércio e serviços. O primeiro armazém da marca no nosso País foi inaugurado em 2001 em Lisboa e o segundo espaço chegou a Gaia em 2006.

Entretanto, a empresa está a contratar mais de 500 novos colaboradores para darem resposta a diferentes áreas de atendimento ao cliente para o reforço de Natal. Os funcionários serão integrados nas áreas de decoração, brinquedos, moda, supermercado, restauração, apoio ao cliente, e-commerce e serviços criados especialmente para essas datas, como embrulhos de Natal.