Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Novo Banco vende 9.000 imóveis por 388,9 milhões a fundos da americana Anchorage

Novo Banco
Novo Banco
Autor: Redação

Com um desconto de 45% face ao valor contabilístico bruto do portefólio (716,7 milhões de euros), o Novo Banco acaba de acordar a venda de quase uma carteira, designada Projeto Viriato, composta por quase 9.000 imóveis a fundos da Anchorage Capital Group - sendo que também a Bain Capital e a Arrow Global tinham sido convidadas a apresentar propostas. O negócio, que deverá ser fechado até ao final do ano, por 388,9 milhões de euros, inclui ativos imobiliários com usos residencial, incluindo estacionamentos, industrial, comercial e terrenos. 

“O Novo Banco informa que assinou um contrato-promessa de compra e venda com entidades indiretamente detidas por fundos geridos pela Anchorage Capital Group, uma sociedade de investimento sediada em Nova Iorque, para a venda de uma carteira de ativos imobiliários, designado por Projeto Viriato. A carteira com um valor contabilístico de 716,7 milhões de euros é composta por 8.726 propriedades com usos residencial”, lê-se no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O banco liderado por António Ramalho estima receber perto de 389 milhões de euros no âmbito desta operação, sendo que o valor final vai ser, no entanto, dependente da carteira final de ativos a ser alienada.

Após a concretização da venda, a gestão deste portfólio será realizada pela Lace Investment Partners e “uma equipa de ‘servicers’ de referência em Portugal na gestão deste tipo de ativos”, que vão incorporar nos seus quadros um máximo de 30 colaboradores do Novo Banco, informa ainda. A Lace Investment Partners, constituída este ano, é gerida por Bernardo Pinto Basto, Inês Santos Silva e Pedro Reforço, antigos quadros da Norfin.

Depois do Viriato, vem o projeto Nata

Esta transação - em que metade dos ativos imobiliários é residencial e os restantes se dividem em imóveis comerciais e terrenos - "representa mais um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos do Novo Banco, prosseguindo este a sua estratégia de foco no negócio bancário”, destaca a instituição financeira no comunicado.

Dentro dos compromissos assumidos com a Comissão Europeia no âmbito da venda de 75% do seu capital à Lone Star e manutenção de 25% no Fundo de Resolução, o Novo Banco está obrigado a desfazer-se de ativos tóxicos e a centrar a sua atividade no negócio bancário na Península Ibérica, sobretudo Portugal.

Neste sentido, a venda da carteira de imóveis (Projeto Viriato) é uma das duas operações que pretende terminar ainda em 2018. O chamado Projeto Nata, num total de 1,75 mil milhões de euros (em duas parcelas distintas) de créditos malparado é o outro negócio que Ramalho quer realizar até ao final do ano.