Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Empreendimento Dafundo 24 em Oeiras premiado nos Luxury Lifestyle Awards 2020

O projeto conta com 12 apartamentos de luxo integrados num condomínio fechado. Seis já foram vendidos. O mais barato disponível custa 860.000 euros.

Dafundo 24 / Vogue Homes
Dafundo 24 / Vogue Homes
Autor: Redação

O empreendimento residencial Dafundo 24da Vogue Homes, foi considerado um dos 20 melhores imóveis de luxo em Lisboa pelos Luxury Lifestyle Awards. Este projeto, que coloca no mercado 12 apartamentos de luxo com tipologias de T1 a T4, deverá estar concluído no primeiro trimestre de 2022.

Em concreto, o projeto Dafundo 24 foi destacado na categoria “The Best Luxury Real Estate in Lisbon" pelos internacionais e independentes Luxury Lifestyle Awards, que “selecionam, reconhecem, celebram e promovem os melhores imóveis e serviços de luxo de todo o mundo”, lê-se na nota publicada na página da Vogue Homes. Nos últimos 12 anos, já avaliaram mais de 10.000 propriedades e serviços em 60 países.

Este empreendimento - que vai estar situado na freguesia Dafundo, em Oeiras – foi desenhado pelo atelier Saraiva + associados, que propõe a criação de um condomínio residencial fechado pautado por “infraestruturas de luxo”, com áreas exteriores que chegam aos 140 metros quadrados (m2).

O apartamento mais barato disponível custa 860.000 euros, e o mais caro 1.300.000 euros, segundo a Vogue Homes. Ainda assim, metade dos imóveis já foram vendidos. Os seis ainda disponíveis possuem áreas brutas entre os 66,54 m2 (T1) e os 152.37 m2 (T3).

A sua ‘prime location’ é um dos fatores que fazem disparar os preços deste empreendimento. Segundo explica o arquiteto Miguel Saraiva, estes apartamentos são destinados sobretudo à classe alta pois “a própria terra é cara e isso reflete-se no preço final”, refere em entrevista publicada no site da sociedade de gestão de investimento imobiliário. E diz ainda que a procura pode ser muito “transversal, tanto para uma classe mais jovem, como para pessoas mais velhas que gostem de contemplar, porque o edifício funciona como um miradouro sobre o rio Tejo”.

Para o arquiteto, este é um “projeto 100% residencial, de uma grande exclusividade, situado numa zona de transição entre a cidade de Lisboa e a cidade de Oeiras, numa localização muito exclusiva que debruça o próprio edifício sob o plano do rio”.