Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Acciona, mais uma espanhola que entra no imobiliário em Portugal

Andrés Pan de Soraluce, novo diretor geral da Acciona Inmobiliaria, nomeado para crescer fora de Espanha / Flickr
Andrés Pan de Soraluce, novo diretor geral da Acciona Inmobiliaria, nomeado para crescer fora de Espanha / Flickr
Autor: Redação

Seguindo os passos de outras imobiliárias espanholas - como a Merlin Properties, Neinor Homes, Vía Célere, Atitlan, Mk Premium, Kronos ou Mabel Capital - a Acciona decidiu agora entrar no mercado português, apostando no negócio da promoção residencial. A empresa aproveitou o desinvestimento no negócio patrimonial, com a venda da participação em Testa (370 milhões de euros), para entrar em território luso com o desenvolvimento de 100 casas no centro de Lisboa. 

A Acciona chega a Portugal, segundo adianta o El Confidencial, através de uma parceria com a empresa Clever Red, propriedade do empresário Carlos Cercadilllo, promotor com experiência na reabilitação de edifícios para diferentes usos nos principais bairros da capital portuguesa. O investimento total estimado para o projeto é de 40 milhões de euros.

A primeira operação da Acciona no mercado imobiliário em Portugal resulta de um acordo que acaba de ser fechado com o Grupo NAU Hotels & Resorts, para um empreendimento localizado na zona da Graça, em Lisboa, sobretudo orientado para o cliente local. A operação, acrescenta o diário online, foi assessorada pela WORX, Real Estate Consultants.

Aposta em Portugal reforçada por novo diretor-geral 

Andrés Pan de Soraluce foi nomeado diretor geral da área de Acciona Inmobiliaria em setembro passado e, segundo explica a empresa em comunicado, a sua designação visa exatamente acelerar a estratégia de crescimento da companhia na promoção residencial em vários países, entre os quais Portugal, Polónia, Espanha e México.

O gestor era, até esse momento, o presidente e CEO da OHL Desarollos, companhia especializada no desenvolvimento de projetos hoteleiros e urbanísticos, onde liderou projetos emblemáticos como o Centro Canalejas (Madrid), Old War Office (Londres) ou Mayakoba Resort e Ciudad Mayakoba (México)..

O mercado português, no entanto, não é novo para a Accionna, estando aqui presente desde os anos 50 do século passado com negócios na área da construção, energia, água e serviços. Em concreto, executou obras emblemáticas como a Barragem do Alqueva ou a Gare do Oriente, desenhada por Santiago Calatrava. Atualmente, está a construir a Barragem do Alto Tâmega, que será destinada à produção de energia hidroelétrica.

Como voltou a Acciona ao imobiliário depois de vender a Testa?

Numa clara aposta no negócio residencial, num momento de plena recuperação do setor imobiliário no mercado ibérico, a Acciona decidiu reorganizar todo o seu património imobiliário numa nova filial em 2016, denomiada Acciona Real Estate. Esta estratégia, tal como indica ainda o jornal espanhol, previa uma eventual venda de parte da companhia ou a ida para a bolsa, mas estes planos acabaram por nunca se concretizar.

Isto aconteceu depois de em janeiro de 2014, a família Entrecanales, dona de Acciona, ter-se visto obrigada a meter em cima da mesa a venda da sua filial imobiliária Testa e outra série de ativos não estratégicos - como a gestora de fundos Bestinver - para compensar o impacto da reforma elétrica em Espanha, num momento em que o mercado espanhol começava a dar sinais de querer recuperar-se de uma profunda crise.

Atualmente, a Acciona Inmobiliaria - filial do grupo Acciona que engloba a promoção residencial - conta atualmente com uma carteira em comercialização próxima das 3.500 unidades e quer continuar a expandir-se dentro e fora do seu mercado nativo.