Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Arrendamento de escritórios ao rubro em Lisboa: é a terceira cidade europeia com maior crescimento

Mimi Thian/Unsplash
Mimi Thian/Unsplash
Autor: Redação

O mercado de escritórios em Lisboa está ao rubro. A capital continua a atrair multinacionais, não faltando procura. O problema é a oferta de espaços, nomeadamente de grande dimensão. Não é de admirar, por isso, que Lisboa tenha sido, no primeiro semestre, a terceira cidade europeia com o maior crescimento de volume de absorção. 

“A cidade de Lisboa dá continuidade à boa performance registada no ano anterior, contando com um crescimento de 27% da área colocada de escritórios face ao primeiro semestre de 2018, com 110.069 metros quadrados (m2) colocados” nos primeiros seis meses deste ano, refere em comunicado a Worx.

Segundo a consultora, a capital “manteve um volume de absorção superior à maioria das cidades europeias, nomeadamente, Paris, Berlim, Hamburgo, Barcelona, Madrid e Milão, sendo apenas ultrapassada pelas cidades de Roma e Bruxelas”.

A Worx adianta que Berlim, Hamburgo, Madrid e Bruxelas foram as cidades “onde se verificou um crescimento da área colocada mais significativo” e conclui que “o valor conseguido no primeiro semestre deste ano em Lisboa é um sinal muito positivo do dinamismo da capital portuguesa, que tem vindo a ganhar cada vez mais interesse e projeção internacional”. 

De acordo com a consultora, à semelhança do ano 2018, as praças de Berlim (1,7%), Munique (2,2%) e Hamburgo (4,4%) registaram as mais baixas taxas de desocupação das cidades europeias, estando praticamente sem espaços de escritórios disponíveis para arrendar. 

“De forma similar a estas cidades, também Lisboa enfrenta o desafio de responder à escassez de áreas com dimensões procuradas pelas empresas (…). Bucareste, Lisboa e Roma foram as únicas cidades que registaram variações positivas entre períodos homólogos”, lê-se no documento.

As perspetivas para o segundo semestre do ano para o mercado de arrendamento de escritórios em Lisboa são animadoras, pelo menos no que diz respeito à procura, com a consultora a prever que esta se mantenha ativa. “Com as oportunidades para escoar os espaços ainda vazios, a promoção de projetos com contratos de pré-arrendamento já celebrados é expectável que as ‘prime rents’ sejam um espelho dessas tendências”, estima a Worx. 

Para Pedro Salema Garção, head of agency da empresa, além de haver projetos em ‘pipeline’, a reconversão de vários edifícios de escritórios para habitação está a ser repensada novamente para o uso de escritórios. “Até que essas novas áreas entrem no mercado, este segmento irá continuar na mira dos investidores, criando pressão nos espaços de escritórios existentes, reforçando assim a procura por novos espaços, de forma a satisfazer a procura”, explica.