Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Crédito à habitação: prestação desce em agosto

Autor: Redação

A prestação da casa vai baixar mais de 1% para os contratos cuja taxa é revista em agosto. As taxas Euribor registaram novas quedas em julho, com o indexante a 12 meses a bater mínimos históricos. Pesam ainda as medidas de choque tomadas pelo Banco Central Europeu (BCE) em junho e a expetativa de que Frankfurt tenha ainda tenha mais armas para usar.

No caso dos créditos que têm como indexante a Euribor a seis meses o valor da prestação desce 1,3%, escreve o Diário Económico. O valor da prestação mensal cai 4,36 euros para 335,79 euros. Isto tendo como base um cenário de um crédito de 100 mil euros com um prazo de 30 anos e um ‘spread' de 1%.

A média mensal da Euribor a seis meses em Julho situa-se em 0,304%, um dos valores mais baixos de sempre. Apenas em meados de 2013 a cotação média mensal deste indexante ficou abaixo daquela valor. A Euribor a seis meses é o indexante mais utilizado no crédito à habitação, sendo utilizado em 51,1% dos contratos feitos a taxa variável.

Também nos contratos indexados à Euribor a três meses, que sejam alvo de revisão no próximo mês, a factura com a prestação da casa ficará mais barata. Assumindo o mesmo cenário, a prestação tem uma descida de 5,78 euros para 311,1 euros, uma descida de 1,7%. A cotação média da Euribor a três meses em Julho situa-se em 0,204%, o valor mensal mais baixo desde o início de 2013. A taxa a três meses serve como indexante a 42,9% dos créditos à habitação que têm uma taxa variável.

E se a prestação do crédito à habitação que tenha como referência a Euribor a três e a seis meses desce para perto de mínimos, no indexante a 12 meses o custo mensal com o crédito cai mesmo para o valor mais baixo de sempre. A factura com a prestação mensal descerá 0,6%, uma queda de 2,25 euros para 344,07 euros no cenário utilizado pelo Diário Económico. A média da cotação da Euribor a 12 meses em julho é de 0,478%. Trata-se da média mensal mais baixa de sempre. No entanto, este indexante tem pouca representatividade no crédito à habitação. Representa apenas 2,3% dos contratos feitos a taxa variável.

Desde o início de junho que as Euribor apresentam uma tendência de descida.Isto depois do BCE ter cortado nesse mês a taxa de referência de 0,25% para 0,15%, um novo mínimo histórico. O banco central anunciou ainda nessa altura novas operações de refinanciamento de prazo alargado e um corte na taxa de depósito de forma a estimular os empréstimos interbancários. Apesar destas medidas de choque, alguns economistas acreditam que, caso seja necessário, Frankfurt poderá avançar para um programa de compra de activos para prevenir um cenário de deflação na Zona Euro.