Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mercado de compra e venda de casas continua em alta, mas há que incentivar o investimento estrangeiro

Autor: Redação

A procura no mercado de compra e venda de casas vai continuar a aumentar, mas é preciso consolidar a estabilidade política e económica e relançar medidas de incentivo ao investimento estrangeiro. Em causa estão dados que constam no último inquérito Portuguese Housing Market Survey (PHMS).

“Os [150] agentes inquiridos [no PHMS] acreditam claramente no potencial do mercado, em especial tendo em conta a dinâmica da procura gerada por investidores internacionais e por turistas. Mas, uma vez mais, manifestam uma preocupação com os impactos que possam decorrer dos atuais riscos políticos e económicos, e enfatizam a necessidade de consolidar a estabilidade e de relançar medidas como o Visto Gold”, disse Ricardo Guimarães, diretor da Confidencial Imobiliário (Ci), em comunicado.

Já Simon Rubinsohn, Economista Sénior do Sobre o Royal Institution of Chartered Surveyors (RICS), considera que “apesar das previsões de estabilidade nos próximos 12 meses, a incerteza na economia global representa um risco negativo”.

Segundo o inquérito PHMS, produzido mensalmente pelo RICS e pela Ci, os indicadores do mercado de compra e venda em janeiro mantiveram-se positivos, com a procura a evidenciar mesmo melhorias face a dezembro, quando tinha estabilizado.

No que diz respeito aos preços das casas, continuaram a evoluir a um ritmo constante em janeiro, sobretudo em Lisboa e no Algarve, regiões onde os preços devem crescer 2,5% no próximo ano. As projeções para os próximos cinco anos antecipam uma subida dos preços a um ritmo de pouco mais de 4% ao ano.

Sore o mercado de arrendamento, em janeiro, a procura continuou a crescer enquanto o número de novas instruções pelos proprietários continuou a descer, caindo ao ritmo mais rápido desde o lançamento da série, em 2011. Este desequilíbrio continuou a sustentar um crescimento das rendas, que recuperaram pelo nono mês consecutivo após anos de declínio persistente.