Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Imobiliário ao rubro na Madeira: preço das casas no Funchal dispara 13,7%

Wikimedia commons
Wikimedia commons
Autor: Redação

euforia em torno do setor imobiliário chegou à Madeira, sendo caso para dizer que o mercado está ao rubro no arquipélago. O Funchal foi, de resto, a capital de distrito, a nível nacional, onde os preços das casas à venda mais subiram: 13,7% em três meses – no segundo trimestre do ano face ao primeiro –, para os 1.536 euros por metros quadrados (m2), segundo dados do índice de preços do idealista.

A comprovar que o “boom” imobiliário chegou à Madeira está também o facto de ter sido a região portuguesa que teve o maior aumento trimestral de preços de todo o país. Ou seja, comprar casa na região em junho custava 1.273 euros por m2, mais 8,5% que em março. A nível nacional a subida foi de 3,8% no mesmo período, para os 1.497 euros por m2.

Com estas subidas, a região da Madeira tornou-se mesmo a terceira mais cara do país para adquirir um imóvel. Só o Algarve (1.599 euros por m2) e Lisboa (2.050 euros por m2) superam os preços praticados no arquipélago (os já referidos 1.237 euros por m2) em junho.

Compra e venda de imóveis cresceu 37,9% em 2015

E o dinamismo do setor regista-se também ao nível das transações realizadas. A Região Autónoma teve uma subida de 37,9% no número de contratos de compra e venda de imóveis em 2015, num total de 3,674 imóveis, de acordo com os dados mais recentes da Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM).

O valor médio dos imóveis transacionados em 2015 na Madeira foi de 67,1 mil euros, menos 8,8% que no ano anterior (73,6 mil euros), segundo o Jornal Económico, que se baseia nestes dados.

Poucos imóveis têm ar condicionado

Um outro estudo do idealista permite concluir que apenas 7,9% das casas à venda e para arrendar em Portugal têm sistema de ar condicionado. E neste caso concreto, a região da Madeira está na cauda da tabela: apenas 0,9% dos imóveis anunciados dispõe deste sistema de refrigeração.

Na cidade do Funchal, apenas 1,1% dos imóveis que estão “no mercado” têm ar condicionado. Somente a cidade da Guarda (0,4%), no norte de Portugal Continental, supera a cidade insular.