Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

AL deu nova vida a mais de metade das casas desocupadas do Norte, Centro e Alentejo

Autor: Redação

Norte, Centro e Alentejo. Cerca de metade – ou mais – das unidades criadas nestas três regiões estava desocupada quando foi transformada em Alojamento Local (AL). Mais precisamente 56% no Norte, 47% no Centro e 55% no Alentejo. Nas regiões Norte e Alentejo, cerca de um quarto das casas era usada para habitação.

As conclusões constam de um estudo que a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) encomendou ao ISCTE, com o objetivo de caracterizar as unidades de AL nas regiões Norte, Centro e Alentejo. Os dados apresentados, citados pelo ECO, dizem respeito a outubro de 2017, altura em que estavam registadas 50.878 unidades de AL – agora já são 59.871 – em todo o país. Cerca de 13.760 encontravam-se nestas três regiões.

Segundo o estudo, 56% dos imóveis na região Norte, 47% na região Centro e 55% no Alentejo estavam desocupados antes de serem transformados em AL. Cerca de 20% dos AL em Lisboa eram casas destinadas a habitação, percentagem que sobe para 24% no Porto e 27% no Alentejo.

Pequenos empresários dominam o negócio

Nestas regiões, a maioria dos proprietários de AL é gerida por pequenas empresas. No Norte, 76% dos proprietários assumem a forma de pessoa coletiva, valores que caem para 58% no Centro e 56% no Alentejo. Ainda assim, e de acordo com o estudo, tratam-se de pequenos empresários que detêm em média apenas dois alojamentos.

Esta é a diferença mais significativa comparativamente à realidade da capital. Em Lisboa há proprietários com mais de 100 unidades, cenário que não se verifica nas restantes regiões.

De acordo com a Lusa, a investigação mostrou ainda que os proprietários estão “satisfeitos” com o negócio e que querem continuar a desempenhar a atividade. No Norte, 99,5% dos proprietários manifestou vontade em continuar, no Alentejo 95,9% e no Centro 86,3%.