Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Subida do preço das casas abranda pelo segundo trimestre consecutivo

Ivan Nieto/Unsplash
Ivan Nieto/Unsplash
Autor: Redação

O preço das casas subiu 8,5% entre julho e setembro face ao mesmo período do ano passado, mas está 2,7% abaixo do registado nos três meses anteriores. Este é, de resto, o segundo trimestre consecutivo em que a subida dos preços abranda em relação ao trimestre anterior, segundo o Índice de Preços da Habitação, publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Neste período, as habitações existentes registaram uma taxa de variação superior à observada nas habitações novas de 9,2% e 5,7%, respetivamente. Relativamente aos três meses anteriores, o índice de preços da habitação aumentou 1% (2,3% no segundo trimestre de 2018), representando a menor taxa de variação em cadeia dos últimos três anos, revela o documento.

Vendas de casas aumentam

Neste período, venderam-se perto de 45.935 casas, mais 18,4% face a igual trimestre de 2017. As transações de habitações existentes representaram a maioria das vendas (84,9%) num total de 38.988 unidades, o que revela um crescimento homólogo de 18,6%. Foram vendidas, por sua vez, 6.947 habitações novas - mais 17,4% por comparação com o terceiro trimestre de 2017.

Para o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), Luís Lima, a diferença de vendas registada entre as casas novas e usadas não é surpreendente.

“É natural que as habitações usadas tenham uma maior representatividade no mercado, porque o stock de casas novas é muito escasso, o que faz com que o mercado de usados tenha maior dinâmica. Tal vai ao encontro do que tenho vindo a afirmar quando digo que é urgente que haja construção nova, sobretudo a preços acessíveis que possam dar resposta à procura crescente que hoje existe para a classe média”, diz o representante das imobiliárias.

Valor de transações supera os 6,3 mil milhões

O maior número de transações teve lugar na Área Metropolitana de Lisboa, onde foram registadas 16.188 vendas, que corresponderam a cerca de 3,1 mil milhões de euros. A região Norte apresentou mais de 13.000 transações com um total de 1,4 mil milhões de euros. No Alentejo o valor das vendas também bateu um recorde: foram transacionadas mais de 2.700 casas por mais de 236 milhões.

As transações realizadas totalizaram 6,3 mil milhões de euros, mais 29,1% que o registado no terceiro trimestre de 2017.

Vendidos mais de 132.000 imóveis em nove meses

Nos primeiros nove meses do ano foram vendidos 132.270 imóveis, mais 21.423 (19%) que em igual período do ano passado, altura quem que foram transacionados 110.847 alojamentos.

Do total dos imóveis vendidos entre janeiro e setembro deste ano, 19.580 correspondem a habitações usadas e 112.690 a habitações existentes. Feitas as contas, venderam-se perto de 15.000 imóveis por mês.