Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Condomínio de luxo no Porto terá apartamentos para 14 famílias (custam menos de um milhão)

O condomínio Aquarelle vai ser construído zona nobre no Porto, onde viveram pessoas ilustres da cidade, como o poeta Manuel António Pina ou o escritor Vasco Graça.

LUXIMO´S Christie´s
LUXIMO´S Christie´s
Autor: Redação

O condomínio residencial de luxo Aquarelle vai ser construído numa das zonas residenciais mais nobres no Porto, nos Pinhais da Foz, onde viveram pessoas ilustres da cidade, como o poeta Manuel António Pina, o pintor Ângelo de Sousa ou o escritor Vasco Graça Moura. O empreendimento terá apenas 14 apartamentos, distribuídos por 6 pisos, com uma área exterior privada com 700 metros quadrados (m2). Os preços começam nos 297 mil euros, mas nenhum ultrapassa o milhão de euros.

Há apartamentos T1 com 85 m2, apartamentos T2 com mais 105m2, apartamentos T3 com 160m2 e apartamentos T4 que ultrapassam os 220 m2. Todos os apartamentos têm lugar de garagem e arrumos, sendo que os maiores possuem três lugares de garagem, com box.

Com projeto assinado pelo gabinete GLCS – Arquitetos, e construção a cargo da empresa NVE, este novo empreendimento “desenhado a pensar nas famílias que privilegiam um estilo de vida singular numa localização de prestígio, dá primazia à excelência dos acabamentos e à sofisticação dos detalhes”, lê-se no comunicado da Luximo’s Christie's International Real Estate, imobiliária responsável pela sua comercialização.

Os preços começam em 297 mil euros, para um T1 com 75 m2, sendo que o mais caro, um T4 com 221 (m2), custa 950 mil euros.

Ricardo Costa, CEO da LUXIMOS Christie's refere que “apesar de toda a supremacia deste empreendimento, a localização é mesmo o seu maior trunfo”, dado que o condomínio está inserido num bairro “requintado e tradicional, que oferece a mais elevada qualidade de vida”, rodeado por restaurantes, cafés, padarias, supermercados e mercearias, bem como escolas nacionais e internacionais, transportes públicos e “excelente acessibilidade”.