Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

“Esta é a melhor época de sempre para os agentes imobiliários comunicarem as suas marcas”

Construir uma marca pessoal como se constrói uma casa: sempre de dentro para fora, começando pela base (sólida) e seus alicerces. Uma "chave" para o sucesso.

Carla Costa, especialista em Branding e Marca Pessoal
Carla Costa, especialista em Branding e Marca Pessoal
Autor: Leonor Santos

Olhar para uma marca pessoal como uma casa única e dinâmica, que requer solidez, investimento e manutenção. Começar por uma base sólida, com alicerces fortes, e construir sempre de dentro para fora, para evitar paredes em ruínas. Carla Costa, especialista em Branding e Marca Pessoal, utiliza a metáfora para explicar, de forma simples, como um agente imobiliário deve ser sempre a soma do seu universo pessoal e profissional. Agora, e mais do que nunca, em tempos de pandemia, e num mercado tipicamente tão competitivo, é preciso comunicar com valor e significado, porque no final do dia “cada agente é um representante do setor imobiliário responsável pela perceção e pelo papel do mesmo no contexto nacional”.

Em entrevista ao idealista/news, Carla Costa, que se dedica diariamente a ajudar pessoas no processo de construção e otimização das suas marcas pessoais e empresariais, lembra que este é um trabalho que requer tempo e, sobretudo, capacidade de análise e de autoconhecimento. É preciso que cada agente imobiliário defina, antes de mais, o ADN da sua marca e que, só depois, se dedique a comunicá-la. A fórmula até pode ser mágica, mas não é instantânea. “Quando o exterior reflete o interior a construção é de dentro para fora. É assim que nascem as marcas autênticas”, explica a especialista. Não basta, diz, “ter uma ideia, um produto ou serviço incrível”, é necessário alinhar estratégias para evitar limitar o potencial dos negócios.

A especialista acredita no forte poder do storytelling, uma vez que “a partilha da história de um agente permite que os clientes o conheçam melhor e se liguem a ele”. Esta é, de resto, e na sua opinião, “a melhor época de sempre para os agentes imobiliários comunicarem as suas marcas”, não vivêssemos nós “numa era incrível na qual os avanços da tecnologia permitem comunicar em tempo real e fazer chegar rapidamente uma mensagem a uma ampla audiência”. Uma época, contudo, mais exigente, em que "não vale a pena comunicar por comunicar”.

Como é que um agente imobiliário pode distinguir-se no mercado? Que ferramentas pode utilizar para esse efeito? O que é que pode e deve fazer neste contexto de pandemia? A especialista em Branding e Marca Pessoal, Carla Costa, responde a esta e outras questões numa entrevista escrita que agora reproduzimos na íntegra, partilhando dicas importantes para quem se dedica ao mercado da mediação imobiliária, e ainda mais críticas em tempos de crise.

Compara a construção de uma marca pessoal à construção de uma casa de sonho. Porquê?

Porque acredito que esta analogia encaixa na perfeição numa das minhas maiores crenças: o caminho para uma construção sólida reside na realização de um processo feito de dentro para fora e não de fora para dentro. A construção de uma casa começa sempre pela base e pelos seus alicerces e nas marcas pessoais é exatamente igual. Para iniciar o processo de construção temos de começar pela nossa essência e por quem somos.

E por que é que é tão importante construir uma marca pessoal no universo da mediação imobiliária?

O universo da mediação imobiliário é constituído imóveis e por marcas pessoais. Penso que de acordo com as estatísticas são mais de 40.000 agentes imobiliários em Portugal. É um mercado muito competitivo. É verdade que existem muitos agentes, assim como é verdade que não existem duas marcas pessoais iguais e isso é incrível. Construir uma marca pessoal com alinhamento e definir o seu posicionamento é fundamental para a percepção e valorização da singularidade de cada agente imobiliário.

É verdade que existem muitos agentes, assim como é verdade que não existem duas marcas pessoais iguais e isso é incrível.

O que quer dizer com a construção “de dentro para fora”? A que é que os agentes devem prestar atenção?

É necessário fazer um trabalho interno. Identificar aquilo que defino como o ADN da marca: valores, missão e visão. A personalidade e as competências também são elementos que deverão ser identificados e analisados. A partir do momento em que existe esta tomada de consciência do ADN único de cada agente o próximo passo é transmiti-lo para o mundo exterior através de ações, comportamento e imagem. Quando o exterior reflete o interior a construção é de dentro para fora. É assim que nascem as marcas autênticas.

Que pontos-chave devem ser trabalhados?

O autoconhecimento é um elemento-chave no processo de construção de uma marca. Fazer uma análise interna e externa na marca é fundamental. Este é um processo que pode ser feito individualmente ou com o apoio de um especialista. Já acompanhei vários agentes neste processo.

O autoconhecimento é um elemento-chave no processo de construção de uma marca.

Como é que um agente imobiliário pode distinguir-se no mercado?

Definindo a sua proposta de valor única e comunicando-a aos seus clientes, colegas e parceiros com alinhamento e coerência.

Que ferramentas pode utilizar para esse efeito?

O universo da comunicação é a maior ferramenta. Defendo a criação de uma estratégia de comunicação integrada com as vertentes online e offline. No caso do online existem várias plataformas digitais. Desde um site, às redes sociais, onde o Facebook, o Instagram e o LinkedIn assumem maior destaque. Nesta vertente a produção de conteúdos é fundamental. Newsletters, imagens, vídeos, textos e artigos, são apenas alguns exemplos. Na comunicação offline incluem-se as reuniões, os eventos e ativações de marca presenciais, que neste momento, apresentam algumas condicionantes. O networking ativo é algo que pode e deve ser trabalhado em ambas as vertentes de forma consistente e regular.

Qual o poder do storytelling? Que informações devem ser incluídas e o que é que deve ser deixado de fora na criação da “própria história”?

Como diz o Seth Godin “Marketing it´s no longer about the stuff that you make, but about the stories you tell.” O storytelling é uma ferramenta de comunicação essencial nos dias de hoje. A partilha da história de um agente permite que os clientes o conheçam melhor e se liguem a ele. Gera identificação e proximidade. No ato de criação de uma história os critérios devem incluir três conceitos-chave: relevância, autenticidade e coerência.

O storytelling é uma ferramenta de comunicação essencial nos dias de hoje. A partilha da história de um agente permite que os clientes o conheçam melhor e se liguem a ele.

Qual a importância do marketing e da tecnologia?

Vivemos numa era incrível na qual os avanços da tecnologia permitem comunicar em tempo real e fazer chegar rapidamente uma mensagem a uma ampla audiência, seja por email, mensagem, vídeo ou posts nas redes sociais. Esta é a melhor época de sempre para os agentes imobiliários comunicarem as suas marcas, sendo que é importante ter presente a intenção de comunicar com valor e significado. Ter a consciência de que quando criam um conteúdo é fundamental existir planeamento, um objetivo definido e uma mensagem que acrescenta algo e não apenas comunicar por comunicar. No final do dia, cada agente é um representante do setor imobiliário responsável pela perceção e pelo papel do mesmo no contexto nacional.

O que é que um agente pode e deve fazer neste contexto de pandemia?

Pode parar, fazer uma autoanálise e refletir. Olhar para o estado atual da sua marca pessoal e colocar questões. Tem o posicionamento que gostaria? A sua proposta de valor é clara e visível? Necessita de mais competências? Gostava de ter uma marca autêntica? A singularidade da sua marca pessoal é percecionada? Acrescenta valor ao setor do mercado imobiliário? O que pode fazer para potenciar a sua marca pessoal?

O processo de compreender o que é necessário transformar e qual a ação a gerar, começa dentro de cada um, com a colocação de questões específicas. Quando as respostas vêm à superfície, aí sim, é possível começar a construir.