Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Ser inquilino ou proprietário? Prós e contras em tempos de pandemia

É uma pergunta que muitos portugueses colocam quando decidem dar o “próximo passo”. Tentamos ajudar-te na tomada de decisão.

Autor: Redação

Que passo dar quando se decide sair de casa dos pais, por exemplo, para se viver sozinho? Pedir dinheiro emprestado ao banco para comprar casa será a melhor opção atualmente, em tempos de crise pandémica? Ou a possibilidade de ser inquilino em vez de proprietário traz mais vantagens nos dias que correm? No artigo de hoje da Deco Alerta tentamos ajudar-te nesta difícil tomada de decisão.

A Deco Alerta é uma rubrica semanal destinada a todos os consumidores em Portugal que é assegurada pela Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor* para o idealista/news.

Estou indeciso entre comprar uma casa ou optar pelo arrendamento, sobretudo neste período de crise séria que atravessamos. Quais os prós e os contras de cada uma destas alternativas?

Saber qual será a melhor solução a adotar, arrendar ou comprar o imóvel com recurso a crédito à habitação, é uma dúvida que assiste cada vez mais os consumidores que decidem escolher uma casa para viver. 

Historicamente, e se consultarmos as estatísticas oficiais, verificamos que a grande maioria dos portugueses tem preferido comprar casa, em detrimento do arrendamento. No entanto, vários fatores contribuíram para algum arrefecimento no recurso ao crédito à habitação nos anos de crise económica e financeira que vivemos desde 2008, situação que se agravou desde 2020 com a pandemia que provocou novos cortes no rendimento dos portugueses. 

Aconselhamos-te a ponderar um conjunto de fatores que deverás ter em consideração neste importante passo para a vida familiar, que poderão ter repercussões durante muitos anos. Contratar um crédito à habitação pode hoje representar uma relação de 30, 40 anos ou até mais. 

Essa é uma das razões que tem levado os consumidores a optar pelo arrendamento. Neste caso não terão, por exemplo, de suportar os impostos associados ao imóvel, nem incorrerão em despesas de manutenção ou de condomínio, embora tenham de acautelar o fim do prazo de arrendamento e, anualmente, estar sujeitos à alteração da renda de acordo com os coeficientes de atualização.

Ao optar pela compra estarás a acumular património valorizável (ou não) para a reforma e para deixar aos filhos, por exemplo, mas terás de pagar alguns impostos, como por exemplo o IMI, ou suportar as despesas de manutenção ou de condomínio. E se a opção for a compra, terás ainda de ter capacidade financeira para dar uma entrada e ficarás associado a um crédito por longo período de tempo.

Faz cautelosamente as tuas contas e procura a melhor solução para o teu caso. Informa-te connosco.

*Conta com o apoio da Deco através do número de telefone 21 371 02 20 e/ou do email decolx@deco.pt. Podes também marcar atendimento via skype. Segue-nos na página de Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e Linkedin.