Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Comprar, vender ou arrendar casa: como escolher um mediador imobiliário

A intervenção de um profissional é, muitas necessária, mas é preciso prestar atenção a alguns critérios para fazer a escolha certa.

Photo by krakenimages on Unsplash
Photo by krakenimages on Unsplash
Autor: Redação

Comprar, vender ou arrendar casa pode não ser uma tarefa fácil. É um processo que exige paciência e, na maioria das vezes, requer a intervenção de profissionais – quer por falta de tempo, quer pela falta de conhecimento de mercado – até porque se trata de um dos negócios mais importantes da vida das pessoas. Mas, afinal, por que é que é importante recorrer aos serviços de um mediador imobiliário? E que critérios é preciso ter em conta na hora de escolher um em detrimento de outro?

É importante avaliar, desde logo, e antes de qualquer outra coisa, se o mediador está registado no Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção (IMPIC). Depois, é fundamental marcar sempre a reunião na agência e não na casa que se vai visitar, segundo Ricardo Sousa, administrador da Century 21 Portugal, ouvido pelo jornal Expresso. “Só assim poderá verificar quem é o seu interlocutor”, diz. Também é preciso ter em conta o registo de operações, a assessoria jurídica e financeira ou ainda a capacidade legar para intermediar crédito.

Além disso, deve-se avaliar a imobiliária no geral: quem é, que meios utiliza,  qual é o valor que aporta – seja nacional, internacional ou localmente –, e quais as mais-valias do consultor escolhido para dar seguimento ao processo, nomeadamente ao nível do conhecimento de mercado, formação profissional (ou ausência dela). Isto porque é preciso ter atenção à rotatividade. Segundo Jorge Garcia, consultor de negócios imobiliários, citado pela publicação, “cerca de 50% dos imóveis com contratos de mediação imobiliária fica sujeita a mudança de consultor (...) que afeta em larga medida o prazo de comercialização e o sucesso da operação”.

De acordo com os especialistas ouvidos pelo jornal, é igualmente importante escolher uma agência que apresente um plano de marketing que vá para além do óbvio, e que faça um reporte regular sobre os progressos da operação, ajustanto estratégias atempadamente, se for caso disso. É também aconselhado entrevistar pelo menos três consultores, verificar todas as referências, para que seja possível fazer uma escola ponderada e, sobretudo, acertada.