Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Preços das casas altos? “Os portugueses é que ganham mal", diz CEO da Vanguard Properties

José Cardoso Botelho lamenta a elevada carga fiscal sobre o setor imobiliário e fala sobre a casa comprada por Ronaldo no Castilho 203.

José Cardoso Botelho, Managing Director da Vanguard Properties / Catarina Lopes
José Cardoso Botelho, Managing Director da Vanguard Properties / Catarina Lopes
Autor: Redação

A Vanguard Properties começou a fazer as primeiras aquisições de imóveis em Portugal em 2016, sendo atualmente umas das promotoras imobiliárias mais ativas no mercado nacional. Um dos edifícios que comprou foi o Castilho 206, onde Cristiano Ronaldo é proprietário – um imóvel, de resto, que fez correr muita tinta recentemente. Sobre os preços das casas, José Cardoso Botelho, CEO da VP, queixou-se da carga fiscal sobre o setor e deixou um aviso: “Infelizmente, não é o preço do imobiliário em Portugal que é caro – basta comparar com vizinhos –, são os portugueses que ganham mal”

Em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF, José Cardoso Botelho disse que, em Portugal, “o nível de impostos sobre salários é elevadíssimo, comparando com a Suíça e até França, o que baixa o poder de compra”. “Baixar o valor do imobiliário só pode fazer-se cortando no custo da construção, baixando o preço do trabalho. E a consequência direta é as pessoas saírem de Portugal e voltarem a ir para França, por exemplo, onde há imensos concursos. Se baixarmos dos 20/22 euros por hora atuais, eles vão embora e ficamos sem capacidade de produção. Por outro lado, os impostos sobre o imobiliário são altíssimos, temos qualquer coisa como 40% de impostos e taxas no preço de uma casa – é algo em que temos de trabalhar, nomeadamente no IVA. Em Espanha, na primeira habitação, o IVA é dedutível e não se paga IMT. Só nisto são menos 30%. Portanto pagamos muitos impostos, contribuímos muito para os orçamentos das cidades e se queremos ser mais competitivos temos de trabalhar isso. E depois há o prazo de aprovação de projeto, que torna as operações mais difíceis de prever e mais caras”, referiu.

“Ronaldo não tem culpa”

Na mesma entrevista, quando questionado sobre a ‘marquise’ construída na casa de Ronaldo no topo do Castilho 206, José Cardoso Botelho disse que o que aconteceu não foi culpa do futebolista português: “O Castilho 23 é um edifício de que gosto muito. Liderei essa negociação e tenho o maior dos apreços pessoais e profissionais por ele. É um atleta de exceção e comportou-se connosco de forma fantástica. O que aconteceu julgo ter sido um lapso da pessoa ligada à gestão do processo do lado do cliente – Ronaldo não tem culpa, porque desconhecia em absoluto o que se estava a passar”. 

O CEO lembrou que a VP, enquanto promotora imobiliária, vendeu e já entregou os apartamentos, havendo “uma empresa que gere o condomínio e tem de liderar esse processo”. “Nós podemos ajudar e tanto quanto vi a Câmara Municipal de Lisboa disse que teria de ser resolvido. Mas não tenho dúvidas nenhumas que Ronaldo foi exposto mas não é responsável. Quem devia ter gerido o processo é que não fez como devia”, afirmou.