Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

rumores

Autor: Redação

banqueiros temem que estado não compre créditos ao sector público: os responsáveis do sector financeiro têm cada vez mais dúvidas de que o estado avance com a compra de créditos ao sector público, tal como combinado aquando da transferência dos fundos de pensões, no final do ano passado. as compras deviam ter sido concretizadas até julho, mas as dúvidas de que a operação poderia configurar uma ajuda estatal está a adiar a sua concretização e na banca cresce o receio de que o processo nunca chegue a avançar. “essa parte da equação não está concretizada e vejo com dificuldades que se venha a concretizar”, disse o presidente do bes, ricardo salgado, durante a apresentação das contas do banco (diário de notícias)

consórcio brasileiro tem 1,2 milhões para a privatização da ana: o banco nacional de desenvolvimento do brasil (bndes) vai apoiar financeiramente o consórcio composto pelas empresas brasileiras ccr e odebrecht à privatização da ana aeroportos de portugal. de acordo com o dinheiro vivo, que cita uma fonte oficial, o bndes está disponível para financiar o consórcio em 1,2 mil milhões de euros, acrescentando que o mesmo é independente de qualquer companhia aérea e tem como um dos objectivos reforçar o “hub” [centro de conexão] de lisboa para áfrica e américa latina. hoje, em, conselho de ministros, irá saber-se quais são as propostas que passam à segunda fase, sendo que o processo de privatização da ana recebeu candidaturas de oito empresas ou consórcios (dinheiro vivo)

espanha aconselhada a “pedir ajuda urgentemente”: o governador do banco central da bélgica, luc coene, que também é membro do conselho de governadores do banco central europeu (bce), considera que espanha deve pedir urgentemente ajuda externa para se financiar, para que o país deixe de estar exposto à volatilidade dos mercados financeiros. “espanha deve pedir ajuda urgentemente”, afirmou luc coene, em entrevista ao jornal belga “de standaard”. segundo o responsável, a urgência prende-se com a falta de ferramentas da autoridade monetária para fazer face à instabilidade nos mercados financeiros (jornal de negócios)

Artigo visto em
(idealista news)