Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Dolce Vita Ovar (outra vez) à venda: magnata africano desiste do shopping

A White Sand Capital, ligada ao magnata africano Nathan Kirsh, ofereceu 7,8 milhões pelo centro comercial mas acabou por desistir da compra.

Photo by Marcin Kempa on Unsplash
Photo by Marcin Kempa on Unsplash
Autor: Redação

O falido Dolce Vita Ovar, inaugurado em 2007, despertou as atenções da White Sand Capital, ligada ao grupo do bilionário Nathan Kirsh. A sociedade do magnata africano chegou a oferecer 7,8 milhões pelo centro comercial localizado em Aveiro mas, entretanto, desistiu da compra. O ativo está, assim, de volta ao mercado.

O prazo para a apresentação de propostas de aquisição terminou a 20 de setembro de 2019, tendo sido registada apenas uma oferta – a do bilionário, que queria fechar o negócio por menos meio milhão (o preço fixado era de 8,3 milhões de euros).

O imóvel foi agora colocado à venda por um preço mínimo de 7,8 milhões de euros, o valor da única oferta registada anteriormente. Não se conhecem as razões da desistência, mas fonte ligada ao processo, citada pelo Negócios, explica que o grupo, "provavelmente, como não conseguiu comprar os outros dois Dolce Vita, pelos quais tinha feito ofertas, optou por desistir do de Ovar".

Além do Dolce Vita Ovar, estiveram também à venda os Dolce Vita Miraflores e Central Park (de Oeiras). O shopping em Miraflores foi comprado pelo fundo europeu Garrison Capital Management & Properties, por 6,8 milhões, e o Central Park, de Oeiras, pelo Fundimo, da Caixa Geral de Depósitos (CGD), arrematado por 2,6 milhões.

Mundicenter pode comprar Forum Aveiro

A Mundicenter, empresa do grupo Alves Ribeiro que opera oito centros comerciais em Portugal e estava na corrida pelo Forum Aveiro, teve entretanto luz verde da Autoridade da Concorrência (AdC) para realizar a compra.

“O Conselho da AdC adotou uma decisão de não oposição na operação de concentração”, refere no aviso publicado, acrescentando que este “não é suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva no mercado nacional ou numa parte substancial deste”.

A dona do Amoreiras, em Lisboa, terá oferecido 90 milhões de euros à CBRE Global Investors para ficar com o Fórum Aveiro, centro comercial a céu aberto inaugurado há 20 anos.