Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

"Uma nova forma de fazer arquitetura", à medida do gosto e bolso de cada cliente (vídeo)

Autores: Tânia Ferreira, @Frederico Gonçalves, Luis Manzano

Queres reformar a tua casa toda ou, simplesmente, dar uma nova vida à sala, cozinha ou qualquer outra divisão... e o que gostavas mesmo era que o resultado final fosse como as maravilhas que vês em revistas ou blogues de arquitetura e decoração? Afinal, isto pode ser mais do que um sonho, e de uma forma bem mais simples e económica do que possas imaginar.

A promessa é da architectyourhome, empresa de arquitetura e decoração criada em Portugal há três anos, em plena crise, e que "está a correr muitíssimo bem", segundo conta uma das cofundadoras, Alexandra Bravo Moura, em entrevista ao idealista/news. 

Serviços de um arquiteto à la carte

A marca - importada de Inglaterra, onde nasceu há uma década e soma mais de sete mil projetos desenvolvidos - tem como grande objetivo "desmistificar que o serviço de um arquiteto só serve para grandes projetos e torná-lo acessível para o cliente residencial", explica a jovem empreendedora.

Pensada, por isso, para "responder às necessidades de um cliente com um orçamento mais controlado", a marca funciona com base numa lógica de serviços vendidos à la carte. Ou seja, os clientes podem comprar um pacote completo para um projeto integral de reforma ou recorrer apenas à consultoria de ideias, desenhos de pormenor, tramitação burocrática do projeto, acompanhamento de obras ou de compra de materiais, por exemplo.

"Todos os projetos começam com uma visita de consultoria inicial ao local e podem terminar com essa visita, se o cliente quiser. Ou podem desenvolver-se mais, de uma só vez ou faseadamente", esclarece Alexandra Bravo Moura, frisando que "seja o que for, o cliente terá sempre à disposição um especialista que pode usar tanto quanto quiser".

Valorizar o imóvel e rentabilizar o orçamento de obras

A convicção da empresa é que o uso de um arquiteto, em vez do habitual mestre de obras ou empreiteiro, "não só torna esse imóvel muito mais apelativo para quem ali vive, como cria mais valor", num futuro momento de venda ou arrendamento.

E se este pode ser um serviço que à partida parece que vai encarecer o projeto, Alexandra Bravo Moura diz que não é bem assim, garantindo que é um investimento e não um custo acrescido. "Com a intervenção de um arquiteto desde o início do projeto, que tome bem as medidas e pense o espaço, faça as contas exatas à quantidade de materiais e trace um plano de obra, o orçamento acaba por ser rentabilizado porque não há desperdícios", argumenta a responsável.

A architectyourhome  já fez mais de 100 projetos em Portugal e tem como meta chegar a 500 nos próximos três anos trabalha com uma bolsa de nove arquitetos, distribuídos pelo país, que não trabalham em exclusividade, mas que têm de respeitar os princípios da marca. "Este é um processo muito colaborativo, entre o cliente e o arquiteto, e todas as ideias são desenvolvidas à medida de quem vai viver o espaço. Não podemos trabalhar, por isso, com arquitetos que façam projetos virados para o seu umbigo".

E agora a decoração

Os portugueses, que "encontram na marca um sistema com um conceito e flexibilidade que não existe no mercado", começam a pesar cada vez mais na carteira de clientes, mas a grande maioria (cerca de 60%) ainda são estrangeiros que investiram na compra de casas em Portugal e que "reconhecem a reputação da marca internacional e a conveniência deste tipo de serviços para quem está à distância". 

Este perfil de clientes vai aliás fazer com que a empresa alargue o âmbito de atuação e crie uma nova marca para projetos de decoração, a interioryourhome.