Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Alojamentos turísticos: reservas em Portugal disparam 45% com desconfinamento e vacinação

Número de reservas mais do que duplicou entre a última semana de março e a primeira de maio, segundo os dados da AvaiBook, analisados pelo idealista.

Imagem de Frank Nürnberger por Pixabay
Imagem de Frank Nürnberger por Pixabay
Autor: Redação

As reservas turísticas em Portugal deram o salto assim que o levantamento de algumas medidas de confinamento, aplicadas no âmbito do combate à pandemia da Covid-19, foi anunciado pelo Governo socialista de António Costa. Este alívio das restrições no país, a par do avanço do processo de vacinação nacional, fizeram disparar em 45% o número de reservas em alojamentos turísticos – isto é, em hotéis e em apartamentos – entre 3 e 9 de maio e a semana anterior, revelam os dados publicados pela AvaiBook, o software de gestão de reservas do idealista.

Olhando para o número de reservas efetuadas entre 29 de março e 4 de abril e a primeira semana completa de maio, a evolução é gritante, verificando-se um aumento de 105%. Esta variação positiva foi também detetada entre 26 de abril e 2 de maio - altura em que foi anunciada o fim do estado de emergência no país -, já que se registou um aumento de 25% no número de reservas face à semana anterior.

A recuperação da confiança no turismo português também se fez notar nos preços médios dos alojamentos turísticos. No final de março, reservar uma noite custava, em média, 107 euros. Já na primeira semana de maio, com a crescente subida das reservas, os preços subiram 10,6%, fixando-se nos 118 euros por noite.

Também no número de noites reservadas se verifica uma evolução positiva. Na primeira semana de maio, o número de reservas para duas noites aumentou 73% face à última semana de março. As estadias entre seis e sete noites também subiram 72% entre estes dois momentos. Os períodos de férias mais longos – entre oito e 14 noites -  foram mais requisitados no início de maio, apresentando uma evolução positiva de 122% face ao final de março.

Tendo em conta o número de reservas em alojamentos turísticos efetuadas entre a primeira semana de maio e a última de março, os dados revelam uma preferência por duas noites, representando 40% do total das reservas, e ainda, seis a sete noites, representando também 40% do total.

Receios do futuro condicionam planos de férias

E para quando estão a ser reservadas as estadias em Portugal? Na primeira semana de maio, as férias mais curtas foram agendadas para o mês de junho, enquanto as estadias mais longas foram reservadas para julho e agosto, revela a análise da AvaiBook, que diz ainda que isto “pode significar que os turistas estão a antecipar as suas férias antes que haja um novo confinamento ou novas restrições às viagens pelos municípios”. O número de reservas para o próprio mês de maio - cerca 40% do total - também mostra isso mesmo.

Só os meses de verão representam 56,2% de todas as reservas efetuadas no início de maio. Tanto nesta semana, como no total de reservas registadas entre final de março e início de maio, verifica-se que entre outubro e dezembro o número de agendamentos é residual (2,85%), o que mostra que a incerteza do futuro ainda influencia os planos de férias no médio prazo.