Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Créditos em moratória recuam para 41,9 mil milhões de euros em março

Trata-se de uma redução de 3,7 mil milhões de euros num mês, face a fevereiro, segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal.

Gtres
Gtres
Autor: Redação

No final de março de 2021, o montante global de empréstimos abrangidos por moratórias (públicas e privadas) era de 41,9 mil milhões de euros, menos 3,7 mil milhões que em fevereiro, revelou esta sexta-feira (30 de abril de 2021) o Banco de Portugal (BdP).  

A entidade liderada pelo ex-ministro Mário Centeno explica, em comunicado, que “esta variação resulta, principalmente, do decréscimo dos empréstimos concedidos a particulares, que diminuíram 2,7 mil milhões de euros”. “Destes últimos, destacaram-se os empréstimos com a finalidade habitação, cujo término da moratória privada com efeitos em março e abril justifica a quase totalidade desta redução”, lê-se no documento.

Segundo o BdP, “os empréstimos a sociedades não financeiras em moratória também diminuíram 0,8 mil milhões de euros”, sendo que “as empresas do setor da construção e atividades imobiliárias destacaram-se pela redução de 0,4 mil milhões de euros”. 

“Nos setores mais vulneráveis, tais como definidos no Decreto-Lei n.º 22-C/2021 de 22 de março de 2021, existiam em março 24,4 mil empresas abrangidas por moratórias. O montante de empréstimos com pagamento suspenso aumentou 0,1 mil milhões de euros face a fevereiro, para 8,6 mil milhões de euros. Este montante representava 36,1% do total de empréstimos das sociedades não financeiras em moratória no final de março”, conclui o banco central.

De recordar que as moratórias bancárias foram criadas como forma de ajuda às famílias e empresas para fazer face à crise económica desencadeada pela pandemia da Covid-19. As mesmas permitem o adiamento temporário do pagamento das prestações de um empréstimo.

A moratória para o crédito hipotecário da Associação Portuguesa de Bancos (APB) – a chamada moratória privada – terminou no final de março, sendo que a do consumo chega ao fim em junho. Já moratória legal, ou pública, termina, na sua maioria, no final de setembro.