Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Deco Alerta: Perdeste os cartões de pagamentos nas férias? Eis o que tens de fazer...

Gtres
Gtres
Autor: Redação

Ir de férias e perder o cartão de crédito e/ou débito não é de todo uma boa notícia. Mas calma, se fores “rápido” a agir tudo se resolverá rapidamente. No artigo de hoje da rubrica semanal Deco Alerta, destinada aos consumidores em Portugal e assegurada pela Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor para o idealista/news, explicamos-te o que tens de fazer nesta situação.

Envia a tua questão para a Deco, por email para decolx@deco.pt ou por telefone para 00 351 21 371 02 20.

No final de maio fui de férias para fora de Portugal e perdi a mala de mão, onde tinha os cartões de débito e de crédito. Só agora, dois meses depois do incidente, fui informada sobre movimentos feitos com o meu cartão de crédito. Apercebi-me que não tinha agido corretamente nessa altura. O que deveria ter feito? 

Os pagamentos com cartões de débito e crédito nas férias podem trazer dissabores aos consumidores. Em caso de perda, extravio ou roubo do cartão, como foi o teu caso, deverias ter contactado de imediato a entidade emissora dos cartões, a Unicre, a SIBS, ou o próprio banco. Aconselhamos inclusivamente o consumidor, de forma a facilitar a notificação, a ter sempre à mão o número do seu cartão e da conta associada, bem como o nome da entidade emissora. 

Após o cancelamento do cartão, todos os movimentos eletrónicos são da responsabilidade do emissor. Se ocorrerem antes da comunicação do furto, roubo ou extravio ao cartão o cliente só é responsável até um máximo de 150 euros. Exceções: se tiver existido negligência ou dolo na utilização. Alguns cartões têm seguro que cobre aquele valor. 

Aprendendo com o problema que esta consumidora está a viver, informamos sobre os riscos dos pagamentos com cartões: 

Em primeiro lugar, num pagamento, seja numa loja ou no restaurante, por exemplo, nunca deves perder o cartão de vista e deves certificar-te de que é passado num único equipamento, para não ser clonado. Se te pedirem para repetir a operação, fá-lo apenas se o terminal apresentar uma mensagem em como a anterior foi anulada. Exige sempre um comprovativo da compra. 

No Multibanco, certifica-te de que mais ninguém vê o PIN. Se notares que a máquina tem um aspeto diferente do habitual ou está vandalizada não a utilizes, pois pode ter sido “adaptada”. Se o cartão ficar retido na ATM contacta de imediato o emissor. 

Também em férias, deves continuar a ignorar mensagens de correio eletrónico, supostamente do emissor do cartão, pedindo-te para acederes a um determinado link. Este tipo de técnica permite a terceiros aceder a dados confidenciais e levantar dinheiro da conta. Nunca divulgues os dados do cartão ou de acesso a algum serviço online de gestão da conta do cartão.

E o que são cartões contactless?

A tecnologia contactless é uma boa opção para quem se esquece facilmente dos códigos. Basta aproximar um cartão de débito e de crédito com esta tecnologia a uns centímetros de um terminal de pagamento adaptado para realizar uma transação. Portanto, o código pessoal (PIN) é desnecessário, estando o seu esquecimento solucionado.

Cada transação sem PIN tem o limite de 20 euros e o valor máximo da transações é de 60 euros, independentemente do período decorrido entre as mesmas. Ultrapassado este limite, o consumidor só pode voltar a efetuar pagamentos contactless depois de realizar uma operação num terminal de pagamento ou numa caixa automática com o código PIN. Por segurança, o sistema pode solicitar o PIN mesmo que não tenha ultrapassado o limite.