Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Poupar no IRS para aumentar o reembolso: o que fazer até ao final do ano

Para se ganhar no IRS tudo começa bem antes da altura de preencher e entregar a declaração anual de rendimentos. E ainda é possível maximizar o valor a receber de 2020.

Photo by Micheile Henderson on Unsplash
Photo by Micheile Henderson on Unsplash
Autor: Redação

Poupar no IRS para aumentar o valor do reembolso a receber é mais simples do que parece, mas nem sempre os contribuintes estão atentos ao que podem fazer ao longo do ano para otimizar a sua fatura fiscal, pensando apenas nisto no momento de preencher e entregar a declaração. Mas não é assim. Começa muito antes. Não te preocupes: ainda é possível tomar algumas medidas para maximizar o valor que o Fisco há-de pagar sobre o IRS 2020. Validar os gastos no e-fatura é um exemplo, mas há outros. Deixamos-te com algumas dicas do que ainda podes fazer até ao final do ano.

Pedir fatura com número de contribuinte

Uma regra básica, mas muito importante. Os contribuintes devem sempre pedir a fatura com NIF, uma vez que, com o e-fatura, grande parte das deduções acaba por ser automática. E metade do “trabalho” fica feito.

Validar as faturas no portal e-fatura

É igualmente essencial consultar o e-fatura, onde os contribuintes podem e devem validar as faturas pendentes de verificação, procurando integrá-las na categoria correta – habitualmente o Fisco permite aos contribuintes fazer a validação até meados de fevereiro do ano seguinte. Recorde-se que há muitas despesas respeitantes a educação, saúde, entre outros, incorporadas nas despesas gerais familiares (onde o limite é 250 euros) por falta de validação, por exemplo.

Atenção às faturas em nome dos filhos

Passar faturas em nome dos filhos e validá-las é igualmente fundamental, para evitar perder as despesas com educação relativas aos dependentes.

Plano Poupança Reforma (PPR)

Investir em PPR pode ser uma solução para aqueles que tem diponibilidade económica e querem poupar algum dinheiro no IRS, através dos benefícios fiscais -  a dedução é de 20% do valor aplicado, com um limite anual em função da idade. Ainda assim, o benefício pode não ser interessante para todos os contribuintes, e é importante avaliar caso a caso, para perceber se o investimento vale a pena.