Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

O património imobiliário do presidente do Benfica que foi parar ao Novo Banco

Distribuem-se por Portugal, Espanha, Brasil e Moçambique e a maioria está avaliada em mais de 244 milhões de euros.

Edifício Plantinum em Moçambique
Edifício Plantinum em Moçambique
Autor: Redação

Depois de o grupo Promovalor, presidido por Luís Filipe Vieira, ter deixado um buraco no Novo Banco de 181 milhões de euros, foi transferida uma carteira de imóveis para o banco, cujo valor ascende aos 244,2 milhões de euros. Esta foi a avaliação realizada a 20 de um total de 23 ativos transferidos, em concreto, para o Fundo de Investimento Alternativo especial (FIAE) controlado em 96% pelo banco. Trata-se de ativos imobiliários distribuídos por Portugal, Espanha, Brasil e Moçambique.

O plano de negócios do FIAE – fundo que está a ser gerido pela C2 Capital Partners – previa a venda de alguns destes ativos, pelo que alguns já poderão ter mudado de mãos, refere o ECO. Mas quais são, em concreto, os imóveis de Vieira que foram parar ao Novo Banco?

A maioria dos imóveis situam-se em Portugal (13) e no Brasil (7) - conhece-os em pormenor já em seguida. Em Moçambique, o grupo transferiu apenas dois, mas um deles é um dos mais valiosos – o Edifício Plantinum composto por 73 apartamentos, 47 escritórios e 2 lojas, prontos para arrendar ou vender. Outro imóvel incluído neste território africano é o terreno Mártires de Machava que se encontra para venda sem projeto. Em Espanha, o grupo Promovalor apenas possui o terreno Finca d’Arcos de 194 hectares.

Portugal: 13 imóveis transferidos

Em Portugal, conta-se um total de 13 imóveis que foram transferidos para o fundo do Novo Banco. Entre estes estão dois terrenos rústicos situados em Tavira: o Páteos da Luz, com 77 mil metros quadrados (m2) e o Sesmarias com 128 mil m2. E outros terrenos urbanos entre o distrito de Lisboa e o Algarve. Estes seis juntos valem cerca de 70 mil euros, refere o ECO:

  • Parque Oriente (Overbrick): terreno situado em Loures com 383 mil m2. Prevê a construção de 248 moradias, 574 apartamentos e zona de comércio, cujo alvará de loteamento foi emitido;
  • Portas Santa Luzia (Royal Iberia): terreno com 98 mil m2, localizado em Tavira, que prevê a construção de 17 moradias, 456 apartamentos, 9 espaços comerciais e 2 lotes destinados a estacionamento, cujo alvará de loteamento já foi emitido;
  • Quinta do Cochão (Imocochão): terreno com 191 mil m2, localizado em Vila Franca de Xira, que prevê a construção de 99 moradias, 481 apartamentos e zona de comércio, cujo alvará de loteamento já foi emitido;
  • Quinta dos Fidalgos (Quinta dos Fidalgos): terreno com 183 mil m2, localização em Vila Franca de Xira, que prevê a construção de 198 moradias e zona de comércio, encontrando-se em fase de licenciamento;

Além destes somam-se outros sete imóveis situados em território nacional: a Urbanização Lagar, a Urbanização Azur Vila, a Brancanes, frações Nisa, um terreno agrícola Samora Correia, um terreno rústico Monte Gordo e a Urbanização Lagar 44+Azur Villa 84.

Brasil : 7 ativos foram entregues

Contam-se sete imóveis que foram transferidos pela Promovalor para o Novo Banco situados no Brasil. Em destaque está o hotel Sheraton Reserva do Paiva o mais valioso dos sete.

  • Hotel Sheraton Reserva do Paiva: hotel de 5 estrelas com 298 quartos, restaurantes, spa, ginásio, piscina e espaço para eventos e congressos (em fase de exploração). Este ativo está a ser gerido pela Starwood Hotels & Resorts (15 anos, renovável), mas a C2 Capital Partners revelou que está à procura de nova gerência.
  • Terraços Laguna: Projeto em comercialização constituído por 224 apartamentos. Deste o Grupo Promovalor, enquanto proprietário do terreno, recebe uma percentagem do valor de venda;
  • Novo Mundo Empresarial: Projeto em comercialização constituído por mais de mil escritórios. Deste, o grupo também recebe uma percentagem do valor de venda;
  • Flats: Projeto que inclui 264 flats e 496 apartamentos, sendo que, por cada fração alienada, o Grupo Promovalor, enquanto proprietário do terreno, recebe uma percentagem do valor de venda (terreno licenciado sem desenvolvimento)
  • Nova Agamenon: projeto para desenvolver um terreno de cerca de 22 mil metros quadrados, incluindo um complexo multiusos composto por edifícios para hospital, centro médico, escritórios, espaços comerciais e aparthotel;
  • Barra de Jangada: Projeto imobiliário em fase embrionária a ser desenvolvido em terreno de 55 hectares.
  • Cabo Frio: Projeto imobiliário em fase embrionária a ser desenvolvido em terreno com mais de mil hectares.