Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

PIB dá sinais de recuperação: sobe 4,9% em cadeia

A procura interna ajudou a recuperação da economia no segundo trimestre de 2021.

Evolução do PIB em Portugal
INE
Autor: Redação

A economia portuguesa já dá sinais de recuperação. O Produto Interno Bruto (PIB), em termos reais, registou uma variação homóloga de 15,5% no segundo trimestre de 2021 (-5,3% no trimestre anterior). E comparando com os valores dos primeiros três meses do ano esta subida foi de 4,9%, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Esta evolução mais que compensou a variação em cadeia negativa (-3,2%) observada no primeiro trimestre de 2021, um período marcado pelo segundo confinamento geral motivado pela pandemia da Covid-19. De acordo com o documento divulgado esta terça-feira, dia 31 de agosto de 2021, “esta evolução reflete os impactos económicos da pandemia, tendo-se verificado, no início do ano, um confinamento geral, seguindo-se um plano de reabertura gradual a partir de meados de março”.

A contribuir positivamente para a recuperação em cadeia do PIB está a procura interna, que foi negativa no primeiro trimestre. A procura externa líquida também contribuiu, mas em menor grau, já que foi menos negativa entre abril e junho de 2021 do que nos primeiros três meses do ano.

Evolução do PIB em Portugal
INE

Economia regista maior subida em 25 anos

A variação homóloga do PIB no segundo trimestre de 2021 é mesmo o maior crescimento observado desde 1996, tal como noticiou o idealista/news. E contrasta com a contração da economia de -5,3% registada no trimestre anterior, refere o instituto.

“Esta evolução é influenciada por um efeito de base, uma vez que as restrições sobre a atividade económica em consequência da pandemia se fizeram sentir de forma mais intensa nos primeiros dois meses do segundo trimestre de 2020, conduzindo então a uma contração sem precedente da atividade económica”, explica o INE.

O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB foi positivo (+15,4 pontos percentuais), enquanto o contributo da procura externa foi nulo, aponta ainda.