Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Elvas: lagar de azeite transforma-se em residência de estudantes após investimento de quatro milhões

Obra no antigo lagar vai decorrer durante dois anos, devendo os trabalhos ter início no final de 2020, início de 2021.

Câmara Municipal de Elvas
Câmara Municipal de Elvas
Autor: Lusa

O Lagar dos Lopes, um antigo lagar de azeite localizado no centro histórico de Elvas, distrito de Portalegre, vai ganhar uma “segunda vida”, já que será transformado em residência de estudantes. Em causa está um investimento de cerca de quatro milhões de euros.

O município adquiriu o imóvel do Lagar dos Lopes por cerca de 200.000 euros e agora está a avançar com o concurso público para a empreitada de adaptação, com um preço base de 3,2 milhões de euros, escreve a Lusa.

“Face às necessidades do Instituto Politécnico de Portalegre, através da Escola Superior Agrária de Elvas, havia a necessidade de construir uma nova residência para estudantes e assim aumentamos a capacidade de alojamento para poder receber cerca de 70 alunos”, disse o presidente da CME, Nuno Mocinha.

O autarca, que fez questão de sublinhar que a atual residência de estudantes vai manter-se em funções, relatou que nos últimos anos tem existido “dificuldades” em dar resposta na área do alojamento aos estudantes que procuram a cidade para desenvolver a sua formação.

“Nos últimos anos temos tido muitas dificuldades na capacidade de alojamento. O mercado privado tem dificuldade em dar resposta e daí projetou-se esta nova residência. Por um lado, vamos recuperar património edificado no interior do centro histórico, o que é sempre bom e, por outro lado, dá-se ao prédio uma funcionalidade que resulta em desenvolvimento futuro”, referiu Nuno Mocinha.

A obra no antigo lagar vai decorrer por um período de dois anos, devendo os trabalhos ter início no final de 2020, início de 2021. 

De referir que o investimento global previsto para o projeto ronda os quatro milhões de euros, sendo que o mesmo conta com a comparticipação de fundos comunitários na ordem dos dois milhões de euros. “A obra é de 3,2 milhões de euros, mas depois em cima da obra temos de meter o equipamento, a fiscalização, os projetos, a revisão de projetos e acompanhamentos, o que quer dizer que o investimento global cifra-se em cerca de quatro milhões de euros”, explicou o autarca.