Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Ageas Portugal compra edifício Expo Tower no Parque das Nações

Grupo está a apostar forte em Portugal e prevê investir, ao todo, 500 milhões de euros em imobiliário no país até 2021.

Autor: Redação

O Grupo Ageas Portugal, que em dezembro do ano passado adquiriu três imóveis de escritórios em Lisboa, anunciou agora a compra do edifício Expo Tower, no Parque das Nações, também na capital. Trata-se de um imóvel que tem cerca de 6.000 metros quadrados (m2), incluindo 105 lugares de estacionamento, e que estava na posse de fundos geridos pela Anchorage Capital Group e da Lance Investment Partners.

O valor do negócio não foi revelado, mas a Ageas Portugal adianta, em comunicado, que estas últimas quatro aquisições significam um investimento total de cerca de 100 milhões de euros.

“A Expo Tower é assim a mais recente aquisição do Grupo, depois da compra de três edifícios (Rua Castilho, Entrecampos e Benfica) em 2019 e do início, em 2018, do desenvolvimento da sua nova sede de Lisboa, no Parque das Nações (onde a empresa irá concentrar todas as suas operações). Esta nova sede, assim como a do Porto, irão elevar para cerca de 500 milhões de euros o investimento total do Grupo Ageas no mercado imobiliário português até ao fim do ano 2021”, lê-se no documento.

A empresa revela que a assessoria ficou a cargo da Cushman & Wakefield na análise comercial, Vieira de Almeida na componente jurídica e negociação e pela KPMG como consultor financeiro e fiscal. Já os fundos geridos pela Anchorage Capital Group e a Lance Investment Partners foram assessorados pela CBRE, Morais Leitão, Ernst & Young e NPN - Neves, Pinheiro, Neves & Associados.

Para Gilles Emond, Head of Real Estate do Grupo Ageas Portugal, a Expo Tower foi adquirida “em circunstâncias tão únicas”, até porque se trata de uma propriedade que se encontra num “local privilegiado”. “Continuaremos a construir progressivamente o nosso portfólio imobiliário, com a ambição de nos tornarmos referência como investidores responsáveis em Portugal”, acrescenta.