Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Bonjardim nasce pela mão da Avenue no centro do Porto com habitação, hotel e uma praça central

Novo empreendimento terá 93 apartamentos, 16 lojas e uma unidade hoteleira de 4 estrelas, com 280 quartos. Tem prevista uma praça central pública, com jardim.

Avenue
Avenue
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

A Avenue vai avançar com o empreendimento o Bonjardim, localizado na Baixa do Porto, a escassos metros da Avenida dos Aliados e do Mercado do Bolhão. O empreendimento que ocupa o antigo quarteirão da Casa Forte, também conhecido por quarteirão de D. João I, fica rodeado pela Rua do Bonjardim, Rua Formosa e Rua Sá da Bandeira, e conjuga habitação e retalho, num investimento global de 57 milhões de euros, e ainda uma unidade hoteleira, que será da responsabilidade da Student Hotel e cuja construção será realizada em simultâneo.

A parte residencial do projeto conta com 93 apartamentos, com tipologias de T0 a T4, de 35 metros quadrados (m2) a 192 m2, distribuídos por uma área bruta de construção de 28.032 m2 acima do solo. Do total, 13.244 m2 são destinados a habitação, dos quais, 2.339 m2 serão desenvolvidos pelo parceiro hoteleiro como 'branded residences' (conceito de apartamentos com serviços hoteleiros associados). 

O início de comercialização está previsto para o próximo mês de abril e a conclusão do projeto para entre 3º trimestre de 2022 (entre junho e setembro).

Projeto hoteleiro assumido por parceiro

O projeto contempla ainda uma unidade hoteleira com 11.228 m2 e com aproximadamente 280 quartos, cuja exploração será da responsabilidade do parceiro hoteleiro, que será o The Student Hotel, sediado na Holanda. 

Em causa está um projeto híbrido com várias componentes que se coadunam com o seu posicionamento de espírito comunitário e de empreendedorismo, estando previsto um hotel de 4 estrelas, alojamento para estudantes, espaços de co-working, salas de reunião e eventos, bem como 39 apartamentos.  

A zona de comércio do empreendimento, situada nos pisos térreos, terá 16 lojas com 3.560 m2 no total.

O estacionamento com uma área total de 20.873 m2, desenvolve-se em três pisos subterrâneos, com capacidade para 499 lugares de estacionamento, com uma zona acessível apenas para residentes e outra de uso público com 250 lugares.

Praça central de utilização pública com zonas ajardinadas

Com assinatura do gabinete de arquitetura Promontório, o Bonjardim vai promover a reabilitação quase integral do quarteirão D. João I com a construção de cinco novos blocos de edifícios. 

Está também prevista a reabilitação das fachadas pré-existentes na Rua Sá da Bandeira e na Rua Formosa, a par do alargamento da Travessa do Bonjardim para melhoria do percurso pedonal, e a criação de uma praça central de utilização pública, no interior do quarteirão, com 2502 m2, sendo uma das zonas ajardinadas. Esta zona de circulação vai criar um novo percurso pedonal público, entre as várias artérias que circundam o empreendimento.

Na opinião de Aniceto Viegas, diretor geral da Avenue, “o Bonjardim é uma oportunidade única para requalificar um quarteirão importante do centro do Porto e contribuirá para a dinamização da Rua Sá da Bandeira e da Praça do D. João I”. O responsável considera que “este projeto, que está há várias anos para ser desenvolvido, trará uma diversidade de usos importante para o centro da cidade. A Avenue reforça assim o seu investimento no Porto, após o Aliados 107 e o V Porto”.

Venda do quarteirão assessorada pela JLL

A venda dos terrenos do quarteirão da Casa Forte à Avenue foi realizada pela AF Portfolio Imobiliário e a Imopromoção, fundos imobiliários geridos pela Interfundos, ligado ao Millennium bcp, tendo o negócio sido assessorado pela JLL.

Gonçalo Santos, Head of Development da JLL, destaca que “o Bonjardim é uma oportunidade única para desenvolver de raiz um empreendimento que vai criar uma nova centralidade habitacional e de serviços no casco histórico do Porto e, como tal, fazendo deste um dos mais apetecíveis projetos para promoção imobiliária disponíveis no mercado”.

Diz que “não surpreende, por isso, que ao longo deste tempo tenhamos sentido um elevado interesse do lado dos investidores, o que se refletiu num processo de venda fortemente competitivo que nos deu uma enorme satisfação acompanhar”.