Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Baixa do Porto vai ter uma nova “alma” – vão nascer 16 casas com estilo “eco” minimalista

A casa mais barata custa 199.500 euros e a mais cara 419.000 euros. Nelas “a natureza estará sempre presente”, refere o arquiteto.

Alma da Baixa / Predibisa
Alma da Baixa / Predibisa
Autor: Redação

Alma da Baixa é o nome do mais recente empreendimento habitacional sob alçada da Predibisa e da Century 21. Situado no coração do Porto, este projeto inclui a edificação de 16 apartamentos com um estilo “eco” minimalista, que alia o sentido estético contemporâneo à funcionalidade. O valor do investimento ronda os 3,5 milhões de euros.

Este é um projeto de reabilitação de dois edifícios situados na Rua do Almada, na baixa da cidade, que no entendimento de Pedro Almeida, responsável da Century 21 Grupo Aliados, vai criar “uma uniformização arquitetónica que aporta uma nova vida a este edificado”, e acrescenta ainda que este projeto “faz renascer um edifício secular, mas totalmente adaptado à atual vida quotidiana”.

É neste local, que possui uma área de implantação de cerca de 1.197 metros quadrados (m2), que vão nascer 16 novos apartamentos - de tipologias T0 e T2- com áreas compreendidas entre os 41,4 m2 e os 95,6 m2. O mais barato custa 199.500 euros e o mais caro 419.000 euros – este último diz respeito a T2 com jardim privativo, refere o comunicado enviado às redações.

Hoje, este projeto está em fase de construção, uma obra levada a cargo pela FL Construções. A promotora do empreendimento é a Velocity Investments, que colocou nas mãos da In Details a responsabilidade de desenvolver o projeto de arquitetura e reabilitação. Nele, avança o arquiteto Pedro Ferreira, saltam à vista os detalhes e os acabamentos, porque “privilegiamos materiais claros e originais, que pretendem ecoar o equilíbrio metódico da natureza para invocar um oásis privado no coração da cidade”. E avança ainda que os elementos alusivos à natureza foram escolhidos a dedo: “desde os pisos de madeira que irão dos quartos à sala, até às vistas da verde dos jardins interiores e exteriores, a natureza estará sempre presente e respira nos espaços interiores adjacentes”.

Para as mediadoras imobiliárias, a localização do edifício é um ponto chave. O responsável pela comercialização do projeto na Predibisa, Gonçalo Abilheira, considera que “a proximidade do Alma da Baixa face às estações de metro e de comboios de São Bento, que ligam toda a área metropolitana do Porto, tornam o projeto ainda mais excecional, até pela localização privilegiada com elevada procura numa rua conhecida pelas novas lojas, restaurantes e bares, assim como pelos espaços verdes, faculdades e museus nas ruas contíguas”. E o responsável da Century 21 Grupo Aliados acrescenta ainda que “o Alma da Baixa vem oferecer uma visão renovada à Rua do Almada, com um empreendimento marcante e emblemático, que traduz o novo espírito do centro histórico do Porto".

A promotora israelita vai ainda mais longe colocando a cidade Invicta no pedestal. No processo de escolha de novos destinos de investimento, Velocity Investments explica que “depois de analisarmos alguns destinos de investimento fora do nosso país de origem (Israel), entre todos os “hot spots” imobiliários existentes em 2017, escolhemos o Porto pelo seu povo hospitaleiro, que a torna na melhor cidade do mundo para viver”.