Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mota-Engil ganha obras de 354 milhões no Ruanda e 72 milhões na Polónia

Construtora vendeu recentemente 23% da sua posição aos chineses da China Communications Construction Company (CCCC).

LEEROY Agency por Pixabay
LEEROY Agency por Pixabay
Autor: Redação

A construtora Mota-Engil, que arrecadou 169,4 milhões de euros com venda de 23% da sua posição aos chineses da China Communications Construction Company (CCCC), ganhou recentemente dois novos contratos: um relativo a obras no Ruanda, de 425 milhões de dólares (354 milhões de euros), e outro na Polónia, de 72 milhões de euros.

No caso do Ruanda, a construtora portuguesa revelou, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que vendeu a participação de 75% na Bugesera Airport Company (BAC) à Aviation Travel & Logistics Holding (ATL), uma empresa detida pelo Governo do Ruanda.

“Na sequência da transação supra, após um longo processo de estudos técnicos conducentes ao redimensionamento do novo aeroporto para cumprir com as necessidades do projeto, a Mota-Engil assinou com a BAC um contrato EPC [Engineering, Procurement and Construction] revisto para os trabalhos iniciais do novo aeroporto, no montante de 425 milhões de dólares”, lê-se no documento.

Segundo a construtora, “com este EPC revisto”, a empresa “associa-se à BAC para tornar este projeto uma realidade, começando o Ruanda a tornar-se um hub de transporte aéreo em África”. 

De referir que a construção do Aeroporto Internacional Bugusera, na capital ruandesa, começou em agosto de 2017. O contrato é agora atualizado, no seguimento da venda da participação, mantendo-se a parceria. 

Um projeto concorrido na Polónia

Na Polónia, e segundo escreve o Jornal de Negócios, a Mota-Engil, através da sua participada Mota-Engil Central Europe (MECE), celebrou um contrato no valor de 72 milhões de euros, para a execução do projeto e construção da via rápida S19 no nó Bialystok Poludnie – Ploski. Foram nove as empresas europeias – de várias nacionalidades – que estiveram a concurso. No troço de 13 quilómetros serão construídas – em 36 meses – duas faixas em cada direção.

“A MECE foi assim selecionada para a execução de um projeto num segmento de atividade como é a construção rodoviária onde tem vindo a afirmar a sua capacidade no mercado polaco desde 1996, estando desde há vários anos entre as 15 maiores empresas no mercado polaco de engenharia e construção”, adiantou a empresa, em comunicado.