Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

BCP e Montepio colocam no mercado novas carteiras de imóveis e crédito

Projeto Lucia e projeto Gerês representam 375 milhões de euros. E o Novo Banco vai lançar o “Projeto Orion” de 300 milhões.

Venda de crédito malparado ao rubro
Foto de fauxels no Pexels
Autor: Redação

Há novas carteiras de crédito malparado e imóveis no mercado. O BCP e o Montepio querem vender dois novos portfólios que, juntos, estão avaliados em cerca de 375 milhões de euros. O objetivo passa por reduzir o rácio dos créditos não produtivos sobre o crédito total concedido pelos bancos. 

O BCP quer vender, em concreto, uma carteira que batizou como “Projeto Lucia” que está avaliada em mais de 100 milhões de euros, escreve o ECO. Deste valor, 63 milhões diz respeito a créditos não produtivos (NPL - non performing loans, em inglês) e 47 milhões de euros a imóveis (REO - Real Estate Owned).

Este novo portfólio soma-se, então, ao “Projeto Green”, que o BCP colocou no mercado em julho por 145 milhões de euros. Trata-se de um portfólio também composto por NPLs e REOs que incluem os resorts de luxo no Algarve, Castro Marim e Monte Rei.

Venda de NPL em Portugal
Resort Monte Rei / Creative commons

O Montepio, por sua vez, colocou no mercado o projeto “Gerês” há cerca de uma semana na tentativa de melhorar o seu rácio de NPL sobre o crédito total que em junho estava nos 9,3% - um valor bem superior ao recomendado pelas entidades europeias, escreve o Jornal Económico. Em causa, está um portfólio de crédito malparado no valor de 265 milhões de euros.

Mercado de 'distressed assets' ao rubro

O mercado de 'distressed assets' – isto é, crédito malparado e imóveis recebidos por incumprimento de crédito – está a dar que falar. Isto porque são várias as carteiras que têm chegado ao mercado nos últimos meses. E há algumas que ainda estão para chegar.

Um dos que está em fase avançada nas negociações é o “Projeto Havery” do Novo Banco avaliado em cerca de 646 milhões de euros e que inclui oito créditos de empresas e outros 12 créditos ligados ao setor imobiliário. A entrega de propostas vinculativas por este portfólio correu na passada sexta-feira, dia 22 de outubro de 2021. E há três principais interessados: o Grupo DDM, a Deva Capital e a DK Partners, escreve o mesmo jornal.

Venda de crédito malparado em Portugal
Wikimedia commons
Outro portfólio de crédito malparado que deverá chegar ao mercado em breve é o já designado “Projeto Orion” também do Novo Banco e é composto por 150 milhões de crédito ‘secured’ e 150 milhões de euros de crédito ‘unsecured’, isto é, sem garantias.

Vender os créditos malparados é a forma mais ágil de reduzir o rácio de NPL sobre a totalidade da carteira de crédito. E segundo a meta europeia este rácio deveria situar-se nos 5%. No Novo Banco estava em 7,3% em junho e no BCP de 5,2%.

*Notícia atualizada dia 26 de outubro de 2021, às 10h05, com correção do nome do projeto Lucia.