Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mercado de escritórios anima em maio – ocupação cresce 45% em Lisboa e 30% no Porto

Mas a absorção de espaços de trabalho acumulada entre janeiro e maio de 2021 ainda fica aquém dos resultados do mesmo período de 2020.

Escritórios
Photo by Israel Andrade on Unsplash
Autor: Redação

O mercado de ocupação de escritórios esteve animado em maio. Em Lisboa, foram ocupados 7.650 metros quadrados (m2), um valor 45% superior ao registado em maio de 2020. E no Porto foram colocados quase 2.400 m2, registando também um aumento de 30% face ao mesmo mês do ano passado. Já a atividade acumulada desde o início do ano mostra uma realidade distinta.

Os dados constam no Office Flashpoint da JLL referente a maio, que detalha ainda que a maior operação registada em Lisboa diz respeito à colocação da Unicre num escritório com 2.743 m2 no edifício Green Park. Já no Porto, a operação de destaque ocorreu no edifício Trindade Domus e diz respeito ao arrendamento de um escritório com 845 m2 pela Edreams.

Em Lisboa, foi registado um total de 12 operações só em maio, com uma área média de 640 m2. As empresas de ‘TMT’s & Utilities’ lideraram a procura neste mês, gerando 48% da atividade, diz a consultora.

No Porto registaram-se quatro operações, das quais duas com áreas próximas a 1.000 m2, o que posicionou a área média em cerca de 600 m2. Neste mês foram as empresas de ‘Outros Serviços’ as mais dinâmicas, sendo responsáveis por mais de 73% do volume absorvido.

A JLL destaca em comunicado o “forte” aumento da ocupação de escritórios em maio face ao mês homólogo de 2020. E sublinha ainda que “a maioria das operações concretizadas neste mês foram para ocupação imediata, o que prova que continua a existir uma procura real e ativa, a qual mantém o foco em espaços novos e de boa qualidade”, assume Mariana Rosa, Head of Leasing Markets Advisory da JLL.

Escritórios
Photo by Austin Distel on Unsplash

Mas desceu nos primeiros cinco meses de 2021….

Ao analisar os dados da ocupação de escritórios de janeiro a maio de 2021, as conclusões são outras: o nível de absorção de espaços de trabalho fica aquém dos resultados de 2020 relativos ao mesmo período.

O mercado de escritórios de Lisboa registou 46 operações que somaram cerca de 49.500 m2 de ocupação, um volume que fica 37% abaixo do mesmo período de 2020. E no Porto, o ‘take-up’ em 2021 ascende a 7.000 m2, numa redução de 70% face a 2020, contabilizando um total de 18 contratos até maio.

Sobre esta descida, Mariana Rosa explica que, hoje, “continuamos numa conjuntura marcada pela pandemia e, mesmo com os avanços na vacinação, a atividade anual prossegue em níveis abaixo dos verificados em 2020, ano em que o primeiro trimestre ainda foi não-Covid. Mas, em todo o caso, o mercado tem dado sinais claros de que as empresas vão continuar ativas na procura de escritórios”.

Os resultados da ocupação de escritórios de maio vieram dar um novo ânimo ao mercado e desagravaram o total acumulado, que até abril apresentava reduções homólogas de 43% em Lisboa e de 78% no Porto.