Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Microsoft quer abrir escritório fora de Lisboa – e está a regressar em modelo híbrido

Expansão da tecnológica em Portugal vai ser estudada. E há mais 218 vagas de emprego.

Trabalhar na Mircrosoft
Foto de fauxels no Pexels
Autor: Redação

A Microsoft não para de crescer em Portugal. Mesmo durante a pandemia, o número de trabalhadores cresceu e agora contam-se mais de 1.400 profissionais que estão a regressar aos escritórios de Lisboa num modelo de trabalho híbrido. Vão abrir ainda mais vagas para novos talentos e está na mira a abertura de um novo escritório, mas fora da capital.

Contabilizam-se 440 trabalhadores que foram contratados desde o início da pandemia. E agora a Microsoft tem em aberto mais 218 vagas de emprego em várias funções, segundo disse Paula Panarra, diretora-geral da Microsoft Portugal, num encontro virtual com a imprensa realizado esta terça-feira, dia 22 de setembro de 2021.  Desta forma, a gigante tecnológica espera alcançar – e quem sabe superar – a meta dos 1.500 postos de trabalho que tinha sido definida para 2022 no memorando assinado com o Governo.

A empresa está a crescer de tal modo que está em cima da mesa a inauguração de um novo escritório, mas para já ainda em fase de análise. Sabe-se que o estudo que se vai iniciar “visa ver as possibilidades de expansão dos escritórios Microsoft” no país, segundo disse Paula Panarra, mas não há ainda novidades sobre a localização e o investimento do novo escritório da tecnológica.

Trabalhar na Microsoft
Foto de MART PRODUCTION no Pexels

Foi esta segunda-feira, dia 20 de setembro de 2021, que a decisão de abrir um novo espaço de trabalho foi conhecida, um dia também marcado pelo regresso dos trabalhadores aos escritórios de Lisboa -  um Parque das Nações e outro nas Amoreiras - em regime híbrido, aquele que é considerado o modelo de trabalho do futuro. Para já, até 50% do trabalho pode ser feito em casa, sem necessidade de qualquer aprovação. E a vacinação não vai ser exigida aos colaboradores em Portugal, ao contrário do que acontece nos Estados Unidos.