Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Habitação social de luxo chega à capital

Gtres
Gtres
Autor: Redação

Nasceram no bairro da Mouraria, em Lisboa, 80 apartamentos de luxo distribuídos por 10 edifícios. Já todos foram vendidos, mas 17,5% deles têm como destino o mercado de arrendamento a preços acessíveis. O projeto Amouraria, da Stone Capital com a Libertas, já tem sete casas ocupadas neste regime e prepara-se para lançar no mercado outras sete – todas elas são exclusivamente dirigidas a portugueses.

A iniciativa partiu dos promotores – não há nenhuma obrigação contratual com a Câmara de Lisboa –, que decidiram colocar algumas casas de luxo ao serviço do arrendamento para que mais portugueses possam viver no centro da cidade. O valor das rendas varia entre os 450 euros mensais por um apartamento T1 e os 750 euros para um T2, estando as casas estão equipadas com eletrodomésticos e um jardim comum.

As casas deste projeto são exclusivamente dirigidas a portugueses, dando-se preferência a jovens ou famílias com filhos, a pessoas que trabalhem em serviços sociais, como hospitais, mas com interesse em participar na vida do bairro. Os interessados podem-se candidatar em vilaolarias@mouraria.pt e está prevista uma open house para visita aos apartamentos a 12 e 13 de abril de 2019.

Obra nova com rendas acessíveis obrigatórias?

Geoffroy Moreno, dono da Stone Capital juntamente com o irmão Arthur, olha com preocupação para o retrato dos novos tempos, que afastaram muitos moradores dos bairros históricos lisboetas. Para o dono da promotora, e de forma a combater o problema das rendas acessíveis na cidade, toda a nova construção em Lisboa devia obrigatoriamente incluir uma parcela para arrendamento acessível. 

“Acho que devia haver uma regra para a nova volumetria em Lisboa, em que parte dos metros quadrados criados, entre 10% a 20%, são para rendas controladas, como existe em Paris”, disse o responsável, ao Expresso. “Queremos participar neste esforço de criar condições para os portugueses poderem viver no centro da cidade, e num mercado que está cada vez mais difícil para o arrendamento”, garante Geoffroy Moreno, que quer continuar a investir neste tipo de regime em novos projetos.

Novas regras para a habitação em Lisboa

Serão entregues esta segunda-feira, 8 de abril de 2019, as chaves das primeiras 50 casas do renovado Bairro da Boavista, casas da nova geração de habitação municipal de Lisboa, pelas mãos do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e da vereadora da Habitação, Paula Marques.

Será ainda apresentada publicamente uma proposta para um novo regulamento municipal de direito à habitação, mais coeso e menos disperso. Trata-se de “um instrumento único para as várias respostas habitacionais”, segundo a vereadora Paula Marques, ouvida pela Lusa.

Atualmente existe um regulamento de acesso à habitação social, que é a renda apoiada, um subsídio municipal de arrendamento, a renda convencionada, e a renda acessível, que não tinha ainda regulamento associado. Com o novo regulamento “o acesso à habitação passa a estar todo debaixo do mesmo chapéu”, garante a vereadora.