Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Covid-19: “Acredito que o setor imobiliário será um dos primeiros a recuperar”

Garantia dada por Luís Lima, presidente da APEMIP, que considera que a procura de casa “por estrangeiros se tem vindo a acentuar”.

Luís Lima, presidente da APEMIP / APEMIP
Luís Lima, presidente da APEMIP / APEMIP
Autor: Redação

Os preços das casas à venda subiram 10,3% em Portugal no primeiro trimestre de 2020 face ao mesmo período do ano passado, tendo sido vendidos 43.532 imóveis, menos 11,6% que no trimestre anterior e menos 0,7% face ao período homólogo. Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), mantém-se, no entanto, otimista quanto à recuperação do setor, que não está imune, como todos os outros, “às consequências” da crise da pandemia da Covid-19. 

“O comportamento da economia e a estabilidade laboral das famílias influencia diretamente o desempenho do mercado. No entanto, acredito que este setor [imobiliário] será um dos primeiros a recuperar, alavancando eventualmente outros como o turismo, cuja recuperação e espera mais lenta”, disse o representante das imobliárias, citado em comunicado.

Luís Lima adianta, de resto, que a APEMIP tem “tido sinais, confirmados aliás por algumas entidades financeiras, de que a procura por estrangeiros se tem vindo a acentuar, motivada pelo bom desempenho do país na gestão sanitária desta crise”. 

“Apesar de não haver ainda concretizações, logo que se registe a reabertura de algumas rotas aéreas e a confiança para viajar, deveremos reaver o investimento estrangeiro no setor. Por outro lado, o arrendamento urbano seguirá como um novo paradigma de atuação para o setor, quer numa perspetiva investimento, quer numa perspetiva de mercado”, acrescentou.

O líder da APEMIP considera que “a quebra do número de vendas já era esperada, devido ao surto pandémico e ao decreto do estado de emergência, em março, que motivou três situações: o adiamento de escrituras, o encerramento dos estabelecimentos ao público e o impedimento de realizar de visitas presenciais a imóveis”