Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Petify, a plataforma que ajuda os animais de estimação a encontrar uma nova casa

Pandemia fez crescer a procura de animais para adoção. A Petify fala sobre este "fenómeno" em entrevista ao idealista/news.

Petify, a plataforma que ajuda os animais de estimação a encontrar uma nova casa
Photo by Xan Griffin on Unsplash
Autor: Redação

Ajudar o maior número de animais possível. Foi com este propósito que nasceu a Petify, uma plataforma interativa de adoção e resgate de animais de estimação – totalmente gratuita e suportada por uma equipa de voluntários – que procura melhorar a vida dos amigos de quatro patas. Nasceu em 2017 e ganhou novo impulso com a pandemia, com mais pessoas a quererem adotar “patudos”, numa altura em que “perda de interação humana aumentou a carência de companhia”, segundo explica a equipa da Petify, em entrevista ao idealista/news.

A Petify.io tem como objetivo ajudar todos os animais a encontrar uma casa. Desde ajudar as pessoas a encontrarem o seu animal perdido; ajudar as associações a encontrar um lar para os seus animais; ajudar as pessoas a divulgarem animais abandonados; e estimular a adoção. De acordo com a equipa da Petify, entre abril de 2020 e março de 2021, a plataforma teve um aumento de procura em 200% face ao mesmo período do ano anterior, e número de contactos entre quem procura e quem anuncia também aumentou cerca de 300%.

Um “fenómeno” que poderá ser explicado, em parte, pela pandemia. “As pessoas viram os animais como os companheiros perfeitos para qualquer altura. Além disso, acabam por ser a melhor motivação para frequentes passeios ao ar-livre, que nos tempos que correm podem ser um autêntico privilégio”, referem.

Na entrevista escrita ao idealista/news, que agora reproduzímos na íntegra, a Petify lembra que “quem decide adotar um novo amigo de quatro patas, passa a ter um amigo para a vida e com quem pode partilhar experiências, tempo e carinho”, frisando a importância de combater o abandono de animais na rua se por algum motivo alguém decida fazer “marcha-atrás” nesta vontade de ter um cão ou um gato.

Photo by Wade Austin Ellis on Unsplash
Photo by Wade Austin Ellis on Unsplash

O que é a Petify? Quando nasceu e porquê? Como funciona? E que objetivos têm para o futuro?

O Petify é uma plataforma interativa focada em ajudar animais a encontrar um lar. Através do nosso website, pessoas individuais e associações criam anúncios de adoção, bem como de animais perdidos. O objetivo é estimular e facilitar o processo de adoção de animais, oferecendo soluções de contacto direto entre os visitantes e os anunciantes.

O objetivo é estimular e facilitar o processo de adoção de animais, oferecendo soluções de contacto direto entre os visitantes e os anunciantes

Nascemos na última semana de 2017 e o desejo desde lá tem sido o mesmo, ajudar o maior número de animais possível.  A utilização da plataforma é totalmente gratuita e basta registarem-se para criar um anúncio ou enviar uma mensagem a um anunciante.

Recentemente, lançamos o primeiro sistema de divulgação em tempo real de animais desaparecidos, encontrados e para adoção em Portugal através do telegram que é aberto a todos. Queremos no futuro conseguir ajudar ainda mais animais de estimação, e quem sabe, levar a nossa ajuda a outros países.

Qual tem sido a reação do público?

Tem sido excelente e dizem sobretudo que deve ser mais divulgada para ajudar mais animais. No início deste ano começámos a recolher feedback dos nossos utilizadores e 97% diz que voltará a utilizar o Petify.

Que balanço fazem da vossa atividade? Quantos animais já ajudaram? E de que forma?

O nosso objetivo inicial era conseguir mudar apenas a vida de um animal, sabemos que se conseguíssemos melhorar a vida de um patudo já estávamos a tornar este mundo melhor. Como apenas intermediamos contactos entre anunciantes e visitantes, raramente temos acesso a confirmações de adoções, mas felizmente já nos chegaram muitas mensagens e histórias maravilhosas.

Desde a criação da plataforma já foram anunciados mais de 6.000 animais e estes anúncios foram vistos mais de 1.000.000 de vezes. Embora o nosso desejo passe por haver menos animais para adoção, ficamos sempre felizes por ver a nossa plataforma a contribuir para baixar este número - 46% dos anúncios publicados foram resolvidos com a ajuda da nossa plataforma.

Photo by Anoir Chafik on Unsplash
Photo by Anoir Chafik on Unsplash

Quem quer adotar um animal o que tem de fazer?

O primeiro passo deve ser sempre decidir que animal queremos adotar, gato ou cão, por exemplo. Depois é importante perceber que porte e faixa etária do animal é que se adequa melhor ao nosso estilo de vida, porque um animal mais novo requer mais atenção e maiores gastos de energia, enquanto que os séniores já têm hábitos adquiridos e são menos ativos. Com a pesquisa feita e estes pormenores acertados, a etapa inicial do processo de adoção consiste em procurar o perfil do animal pretendido em plataformas online, como o Petify, e redes sociais, ou contactar associações e centros de recolha. Por fim, após encontrar o novo melhor amigo, é importante certificar que o microchip é registado no nome da pessoa. 

É importante perceber que porte e faixa etária do animal é que se adequa melhor ao nosso estilo de vida, porque um animal mais novo requer mais atenção e maiores gastos de energia

É verdade que com a pandemia os portugueses adotaram mais animais? Quais, sobretudo? Têm números que sustentem esta teoria?

Não conseguimos confirmar um aumento de adoções, mas sabemos que houve efetivamente um aumento de procura de animais. Notamos um aumento na procura de animais para adoção desde abril de 2020 até março de 2021 de sensivelmente 150%. No entanto, acreditamos que este aumento está relacionado com o crescimento da plataforma também.

O Petify entre abril de 2020 e março de 2021 teve um aumento de procura em 200% face ao mesmo período do ano anterior. O número de contactos entre quem procura e quem anuncia também aumentou cerca de 300% na nossa plataforma. Outro dado interessante é que as pessoas decidiram recorrer primeiro aos meios digitais e plataformas de anúncios como o Petify de forma a evitar o contacto e as deslocações entre centros de recolha e associações.

Conseguimos analisar, contudo, uma queda de 70% na procura de serviços de pet-sitting. Acreditamos que o teletrabalho veio atenuar a procura deste tipo de serviços.

O que motivou este "fenómeno"?

A necessidade de isolamento em casa, causada pela pandemia, e consequente perda de interação humana aumentou a carência de companhia. Assim sendo, as pessoas viram os animais como os companheiros perfeitos para qualquer altura. Além disso, acabam por ser a melhor motivação para frequentes passeios ao ar-livre, que nos tempos que correm podem ser um autêntico privilégio.

A necessidade de isolamento em casa, causada pela pandemia, e consequente perda de interação humana aumentou a carência de companhia

Que conselhos dariam a quem está a adotar um animal de estimação?

Quem já iniciou o processo de adoção de um animal de estimação tem agora que se preparar para a aventura de uma vida. Todo o carinho dado ao novo melhor amigo será devolvido em dobro, sem dúvida. No entanto, é importante relembrar que a implementação de chip é obrigatória e que os passeios diários são essenciais, caso a pessoa não tenha espaço suficiente para o patudo gastar as suas energias em casa. Além disso, recomenda-se a castração, se não houver necessidade de reprodução.

Photo by Andrew S on Unsplash
Photo by Andrew S on Unsplash

O que ganha quem decide viver com um animal em casa?

Quem decide adotar um novo amigo de quatro patas, passa a ter um amigo para a vida e com quem pode partilhar experiências, tempo e carinho. Ajudam a lidar e a trabalhar com emoções, e podemos garantir que são os melhores ouvintes de sempre.

Quanto pode custar manter um animal?

De acordo com um inquérito realizado pela Deco Proteste, com dados de 2016, estima-se que o custo médio anual de ter um cão é de 1.007 euros e de ter um gato 865 euros. Infelizmente, não temos acesso a informações mais atuais, que nos permitam calcular ou aferir valores mais atualizados.

E que recomendações agora com o desconfinamento em curso e mudança nas rotinas das pessoas, para ajudar a minimizar a ansiedade nos animais?

O ideal é alterar ao mínimo a rotina dos animais. Os passeios e alimentações devem ser feitas, de preferência, no mesmo horário e na mesma frequência. Na eventualidade disto não ser possível, aconselha-se que estas mesmas ações sejam realizadas no horário mais próximo possível. Em caso de alguma mudança de comportamento do animal, consulte um médico veterinário especialista.

Se por algum motivo deciderem fazer “marcha-atrás”, o que devem fazer as pessoas em vez de abandonar os animais na rua?

Nos casos em que o animal já se habituou à vida em família, o ideal seria encontrar outra família disposta a acolher o animal. Isto para evitar que ele tenha que se habituar a diferentes ambientes, como em associações. Contudo, na impossibilidade disto acontecer, aconselha-se contactar uma associação que tenha disponibilidade para cuidar do animal e reiniciar outro processo de adoção para o mesmo.