Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mais casas novas no mercado: licenciamento de obras está a subir

O número de fogos licenciados em construções novas aumentou 11,6% para 18.475, segundo a síntese estatística da habitação da AICCOPN.

Licenciamento de novas construções
Photo by Raul Petri on Unsplash
Autor: Redação

Num momento em que profissionais do imobiliário reclamam falta de oferta em Portugal, o mercado dá sinais de dinamismo. Até ao final do mês de agosto, foram licenciadas pelas câmaras municipais 12.336 obras de construção nova e reabilitação em edifícios residenciais, o que traduz um aumento de 11,7%, face ao observado no mesmo período do ano anterior.

O número de fogos licenciados em construções novas aumentou 11,6% para 18.475, segundo a síntese estatística da habitação da Associação dos Industriais de Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN). Em junho de 2021, recorde-se, este número cifrava-se nos 14.279 fogos, e em julho, nos 16.558.

Fogos licenciados em construções novas
Photo by Ivan Henao on Unsplash

No que diz respeito ao novo crédito para aquisição de habitação concedido pelas instituições financeiras nos primeiros oito meses do ano, assistiu-se a um crescimento de 37,9%, em relação aos mesmos meses de 2020, para 9.826 milhões de euros.

Em agosto, o valor mediano da habitação para efeitos da concessão de crédito bancário regista uma valorização de 8,2% em termos homólogos, em resultado de variações de 9,9% nos apartamentos e de 3,2% nas moradias.

Já o consumo de cimento no mercado nacional nos primeiros oito meses de 2021 totalizou 2,55 milhões de toneladas, o que corresponde a um acréscimo de 7,0%, em termos homólogos acumulados.

Região Autónoma da Madeira
Photo by Dimitry B on Unsplash

A Madeira é a região em destaque. De acordo com a AICCOPN, na Região Autónoma da Madeira, o número de fogos licenciados em construções novas nos doze meses terminados em agosto de 2021 foi de 487, o que traduz um aumento de 5,4% face aos 462 alojamentos licenciados nos doze meses anteriores. Destes, 10% são de tipologia T0 ou T1, 26% são de tipologia T2, 58% de tipologia T3 e 6% de tipologia T4 ou superior. Quanto ao valor de avaliação bancária na habitação nesta região verificou-se, em agosto, uma variação homóloga de 11,5%.