Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

construção: empresas portuguesas de olho no investimento norueguês

governo norueguês investe 70 mil milhões de euros na construção e na rede de transportes
Autor: Redação

a noruega tem um plano ambicioso de investimentos no sector da construção e no desenvolvimento da rede de transportes para o período 2014-2023. o governo norueguês prevê aumentar a despesa neste sector em cerca de 50%, pelo que o nível anual de gastos irá aumentar de 33,4 mil milhões de coroas em 2013 para uma média de 50 mil milhões nos próximos anos (cerca de 6,4 mil milhões de euros). ao todo serão investidos cerca de 70 mil milhões de euros. a boa notícia é que o plano será apresentado a empresas portuguesas em setembro

de acordo com o sol, este plano de investimentos levou a embaixada de portugal em oslo (noruega), em coordenação com a agência para o investimento e comércio externo de portugal (aicep), a apresentar a proposta de deslocação a portugal do director de estratégias de contratação e relações industriais do ministério dos transportes e comunicações da noruega. o responsável apresentará o referido plano às empresas nacionais nos dias 17 e 18 de setembro, em lisboa e no porto, respectivamente

citado pela publicação, reis campos, presidente da confederação portuguesa da construção e do imobiliário (cpci), que também estará na organização das apresentações, frisou que o plano de investimentos norueguês pode ser uma excelente oportunidade de negócio para as empresas portuguesas. “com um plano de investimentos robusto, centrado nas áreas rodoviária, ferroviária, marítima, portuária e aeroportuária, estou convicto que, pela sua experiência, as empresas nacionais poderão contribuir positivamente”, adiantou, salientando “que o governo norueguês está interessado em beneficiar” do contributo das empresas portuguesas

para reis campos, a experiência na concretização de projectos complexos e emblemáticos, o empreendedorismo dos profissionais e a qualidade da engenharia são mais-valias das empresas portuguesas, que têm condições para competir com os mais altos padrões

certo é que neste momento, e tendo por base apenas uma primeira divulgação efectuada pela cpci e pela aicep, muitas empresas já manifestaram interesse nas sessões de divulgação que irão decorrer em lisboa e no porto