Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Casas sustentáveis com varandas pré-fabricadas e muito mais...

É um projeto do estudio de arquitetura Bertola & Cie-SIA e localiza-se na Suíça.

Casas sustentáveis
Mathieu Gafsou|Bertola & Cie-SIA
Autor: Vicent Selva (colaborador do idealista news)

Há um grande projeto de casas sustentáveis que nasceu no município de Bussigny, na Suíça. Chama-se '65 Degree Group Housing' e foi desenvolvido pelo gabinete de arquitetura Bertola & Cie-SIA, com sede em Crissier. Este complexo possui casas de baixo consumo energético, que estão orientadas a 65 graus para assim otimizar a captação de luz solar e garantir a sustentabilidade dos seus jardins privados. 

Na origem deste projeto está uma necessidade que não é nova: a de oferecer alterativas à densificação. Foi tendo este desafio em mente que a equipa investigou e desenvolveu este complexo residencial que combina diferentes tipologias -desde simples a duplex - e atende às necessidades diferentes gerações de residentes. Mas não só. Outro aspeto importante no seu desenvolvimento passou também pela redução da utilização dos combustíveis fósseis, optando por soluções energéticas mais sustentáveis. É por isso que o edficício tem painéis solares, bombas de calor ar-água, telhados verdes e um sistema de ventilação mecânica de duplo fluxo para reduzir os micropoluentes.

Do ponto de vista do design, a repetição é o elemento chave, dando uma imagem de absoluta coerência. "O conceito arquitetónico segue rigorosamente a vontade de marcar na rua volumes ou uma repetição de unidades, para que os futuros residentes identifiquem as suas casas não como um bloco de apartamentos, mas como pequenas casas de três andares juntas", salientam os arquitetos no seu website.

"O edifício desenvolve-se, assim, de forma linear e paralela à rua, a uma distância de quase 100 metros. Uma grelha estrutura o projeto e reflete-se não só na própria forma do edifício e nas escadas, mas também nas estruturas das varandas pré-fabricadas de betão".

As grades de metal e os tijolos ajudam a quebrar a fachada de betão no lado sudoeste do complexo habitacional, enquanto as superfícies de madeira clara revestem os interiores cheios de luz.

A noroeste, a fachada procura um certo equilíbrio entre volume, repetição e um arranjo regulador de aberturas. Já a sudoeste, o primeiro andar do edifício possui uma estrutura de pilares e entablamento compensado na grelha de betão, bem como com tijolos de clínquer e grades metálicas.

Neste complexo, encontramos casas de diferentes tipologias: de dois a cinco quartos. "Esta diversidade de tipologia promove um mix social de todas as gerações que responde aos desafios da nossa sociedade", sublinham.

O telhado verde do edifício e os vários relvados ajardinados vão incentivar o desenvolvimento de biótopos, garantindo ao mesmo tempo um conforto térmico para os futuros residentes. Além disso, as hortas privadas permitem a apropriação do terreno por todos os residentes e encoraja ainda aos convívios. "Este projeto tem um objetivo social e comunitário quase sob a forma de uma nova pequena aldeia", dizem ainda.