Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Reinvenção, a palavra de ordem na (re)abertura dos hostels na era pós-Covid

Há novas formas de bem-receber que devem ser tidas em conta, segundo a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

Autor: Redação

À semelhança do que acontece na hotelaria, também os hostels preparam o seu regresso à “nova normalidade” no chamado pós-Covid-19. E estão a fazê-lo com alternativas diferenciadoras e que continuem a garantir a personalização da relação com os hóspedes, revela a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP). 

Entre as novas formas de bem-receber estão, segundo a AHP, os seguintes aspectos. O “ponto de ordem é a limpeza”, que “é obrigatória”, bem como respeitar e “seguir todos os procedimentos do Selo ‘Clean & Safe’”, aponta a associação.

  1. Digitalização integral dos procedimentos de pagamento transformando-os em experiências totalmente contactless; 
  2. Reorganizar os espaços para garantir o distanciamento físico, não o social;
  3. Disponibilizar informação em formato digital, como os horários dos espaços culturais e todos os procedimentos de higiene e segurança; 
  4. Transformar as refeições em Grab & Go ou Kitchen Box (refeição entregue numa caixa);
  5. Ajustar a oferta de serviços auxiliares para depender menos dos clientes e apostar numa maior personalização e individualização dos produtos. 

Recentemente, a AHP promoveu um webinar – está disponível no Facebook da AHP e pode ser consultado neste link – que teve como mote “Special Hostels”. Uma conversa online que reuniu várias personalidades ligadas à indústria dos hostels: Duarte d’Eça Leal, Co-Fundador do The Independente Collective, foi o anfitrião e recebeu, na sua “sala virtual”, Nuno Constantino, CEO da HUB Hostels, maior grupo de hostels em Portugal, Anne Dolan, co-fundadora da Clink Hostels, com hostels em Londres e Amsterdão, e Kash Bhahttacharya, fundador e editor do BudgetTraveller.org, vencedor, em 2016, do National Geographic Travel Blogger of the Year.

“Desta conversa resultou aquilo que a AHP já sabia: é muito mais aquilo que une os hostels à hotelaria tradicional, do que aquilo que os separa”, lê-se no comunicado da associação.