Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Promotores imobiliários

Últimas notícias sobre "Promotores imobiliários" publicadas em idealista.pt/news

Promotores rejeitam argumentos de parceiros sociais sobre vistos gold

Há uma nova polémica em torno dos vistos gold. O Conselho Económico e Social (CES) defende o fim do programa, que mudou de regras no início do ano, alegando que o mesmo está a contribuir para a diminuição da taxa de natalidade. Isto porque faz com que haja uma espécie de efeito bola de neve, ou seja, os preços das casas aumentam e os jovens adultos não conseguem sair de casa dos pais, não podendo, assim, constituir família. Para a Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários (APPII), este é um não tema, visto que a “quebra da natalidade nada tem que ver com este tipo de programas”. 

Notícia sobre:

Como reduzir o risco do investimento imobiliário? Agora há um seguro para promotores e investidores

Há um novo seguro no mercado imobiliário português orientado para reduzir o risco do investimento. A RealSecure, em parceria com a HighDome – a seguradora do grupo MDS -, oferece aos promotores e investidores imobiliários um conjunto de soluções que permitem assegurar, por exemplo, a rentabilidade dos investimentos em imóveis.

Notícia sobre:

Fim dos vistos gold em Lisboa e Porto pode custar 700 milhões por ano à economia, avisam promotores

O fim dos vistos gold em Lisboa e Porto poderá estar mais próximo que o esperado, agora que o Governo se mostrou disposto a avançar com o diploma de restrições até ao final do ano. Mas a notícia não caiu bem a muitas vozes do setor. A Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários (APPII), por exemplo, já reagiu ao eventual fim do programa, e adianta que esta medida poderá custar 700 milhões de euros por ano à economia portuguesa. Acredita, de resto, que o Governo está prestes a “decapitar” o único setor que resiste à crise.

Notícia sobre:

Suspensão das rendas fixas nos centros comerciais é uma “lei cega e discriminatória”- diz a APCC

O Parlamento aprovou a suspensão da renda fixa nos centros comerciais até 31 de março de 2020, mas a medida não foi bem recebida por várias vozes do setor imobiliário. A Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) acusa o Parlamento de ter permitido uma “inaceitável e gravosa ingerência do Estado na relação entre privados” ao promover uma “lei cega e discriminatória”. A posição é, de resto, partilhada pela Associação Portuguesa de Promotores e Investidores Imobiliários (APPII).

Notícia sobre: