Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Prepara a carteira: guia dos preços que mudam em 2019

Andrea Natali/Unsplash
Andrea Natali/Unsplash
Autor: Redação

Ano novo, vida nova... e novos preços. Das telecomunicações à eletricidade, passando pelas rendas, portagens, refrigerantes ou tabaco há novidades.. O novo ano traz subidas (e algumas descidas) que vão mexer com a carteira dos portugueses. Preparado? Neste guia mostramos-te tudo aquilo que precisas de saber, com algumas boas e más surpresas que se avizinham pelo caminho. 

Rendas

As rendas das casas vão ficar (outra vez) mais caras. O valor deverá aumentar 1,15% este ano, mais do que os 1,12% de 2018. Trata-se de um novo máximo desde 2013, segundo os números da inflação dos últimos 12 meses até agosto divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Mas há mais novidades. Foram aprovadas novas regras no arrendamento pelo Governo, com benefícios para os senhorios (e quatro novos escalões de tributação) e maior proteção para inquilinos. Explicamos-te tudo neste guia, ponto a ponto.

Eletricidade

A fatura da luz vai mesmo ficar mais barata – a nova tabela de preços já entrou em vigor. A descida será de 3,5% e vai abranger os consumidores do mercado regulado, beneficiando cerca de um milhão de famílias. A fatura vai diminuir, em média, 1,58 euros por mês, segundo as contas da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Portagens

Os preços das portagens nas autoestradas aumentam 0,88% em janeiro, tendo em conta a taxa de inflação homóloga, sem habitação, de outubro, divulgada pelo INE.

De acordo com a informação disponibilizada pela Infraestruturas de Portugal (IP), haverá atualizações em 111 das 500 tarifas praticadas. Mas apenas a A4 (Túnel do Marão), a A23 (entre Torres Novas e Abrantes), a A21 (Ericeira – Venda do Pinheiro), a A19 (Litoral Oeste), a A13 (Pinhal Interior), a A16 (Grande Lisboa), a A41 e a A42 (Grande Porto) não irão apresentar variações nos preços.

As autoestradas da Brisa terão uma atualização média, considerando todas as classes de veículos e todos os trajetos, de 0,94% das tarifas. Fazer o percurso Lisboa-Porto pela A1, por exemplo, ficará 15 cêntimos mais caro, sendo que o trajeto Lisboa-Algarve, pela A2, vai obrigar a pagar mais 25 cêntimos.

Automóvel

Levar o carro à inspeção também vai ficar mais caro - os preços deverão subir 1%. Em 2018 um carro ligeiro pagava 31,11 euros e agora pagará 31,43 euros. Nos pesados, o mesmo. No ano passado a fatura era de 46,56 euros e agora será de 47,02 euros.

Mas as subidas no que toca aos veículos não se ficam por aqui. As taxas de Imposto sobre Veículos (ISV) e do Imposto Único Circulação (IUC) devem subir em média 1,3% , isto porque o Governo decidiu propor um regime transitório, a vigorar durante o próximo ano, face à nova metodologia de cálculo das emissões de CO2 (com base no novo ciclo Worldwide Harmonized Light Vehicle Test Procedure – WLTP), algo que motivaria o agravamento destes impostos.

Transportes públicos

E os transportes públicos também deverão aumentar 1,14%, segundo a informação publicada Autoridade Metropolitana de Transportes.

A CP, por exemplo, vai subir os preços, mas apenas para os bilhetes dos comboios de longo curso (Intercidades e Alfa Pendular), enquanto os comboios regionais e inter-regionais vão manter o mesmo preço. Em Lisboa, novos aumentos à vista: o bilhete Carris/Metro vai aumentar de 1,45 para 1,50 euros. O bilhete diário, válido por 24 horas, sobe em 10 cêntimos, para 6,40 euros; o diário Carris/Metro/Transtejo aumenta em 15 cêntimos, para 9,50 euros; e o diário Carris/Metro/CP sobe também em 15 cêntimos, para os 10,55 euros, por exemplo.

Mas há algumas benecesses, como no caso dos novos passes sociais de Lisboa e Porto – ao que tudo indica custarão um máximo de 40 euros por mês e permitirão que as crianças até aos 12 anos viajem gratuitamente.

Telecomunicações

As operadoras Nos e a Meo já anunciaram aumentos nos preços das telecomunicações em 2019, para acompanhar a atualização da inflação. A Vodafone ainda não decidiu.

Tabaco

Fumar, além de fazer mal à saúde, vai pesar mais nos bolsos dos portugueses. O aumento do Imposto sobre o Tabaco (IT) previsto no Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) pode significar uma subida de cerca de 10 cêntimos no maço de cigarros, segundo simulações feitas pela consultora Deloitte, citadas pela agência Lusa.

Pão sobe, leite mantém-se

O preço do pão também poderá subir em 2019, acompanhando o aumento do salário mínimo e do valor da matéria-prima. Em causa está, por exemplo, uma subida de 10% no preço da farinha nos últimos três meses, ou ainda atualização do salário mínimo para 600 euros a partir de 1 de janeiro. Já o preço do leite deverá manter-se, sem sofrer oscilações.

Refrigerantes

Igualmente, as bebidas açucaradas não escapam às subidas. O imposto sobre as bebidas açucaradas vai ganhar dois novos escalões. As bebidas que contenham menos de 25 gramas de açúcar por litro passam a pagar um euro por hectolitro e as que tenham entre 25 e 50 gramas passam a pagar seis euros. Até aos 80 gramas pagam oito euros e acima desse valor pagam 20 euros.

Segundo as contas da PricewaterhouseCoopers (PwC), para a Lusa, no caso de uma garrafa de dois litros de 7Up com um teor de açúcar de 110 gramas por litro, o aumento chega aos 4,06 euros e uma garrafa de 250 mililitros de Red Bull com um teor de açúcar de 110 gramas por litro terá um aumento de 0,76 euros.

Azeite

Em dezembro de 2017, o Instituto Nacional de Estatística (INE) estimava um aumento de quase 30% no preço do azeite para este ano, devido a quebras na produção. Nas Contas Económicas da Agricultura de 2018 (cuja primeira estimativa foi publicada a 13 de dezembro), segundo a Lusa, o INE prevê agora um aumento de produção de azeite ao longo do ano de 8,7% (em volume).

Gás

As tarifas transitórias do gás natural não sofrem hoje quaisquer alterações, segundo a agência de notícias, uma vez que atualização tarifária só acontece a 1 de julho para os consumidores que se mantêm no mercado regulado.