Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Deco Alerta: Estou a pensar pedir dinheiro ao banco para comprar um carro. É boa altura para o fazer?

Autor: Redação

A necessidade de contratação de um crédito automóvel para a compra de um carro novo é o 66º tema da Deco Alerta. Destinada a todos os consumidores em Portugal, esta rubrica semanal é assegurada pela Deco - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor para o idealista/news.

Envia a tua questão para a Deco, por email para gcabral@deco.pt ou por telefone para 00 351 21 371 02 20.

De acordo com a imprensa, o número de novos créditos concedidos a particulares aumentou drasticamente. Pondero comprar um carro novo utilizando um crédito automóvel. Será este o momento oportuno?

A tua questão é bastante pertinente, uma vez que segundo o Banco de Portugal, tanto no caso de crédito ao consumo como no caso do crédito à habitação, verificou-se uma subida da concessão de crédito às famílias portuguesas.

Quanto ao crédito à habitação, desde há alguns meses consecutivos que as novas concessões têm vindo a aumentar, considerando-se que esta evolução coincide com a redução dos spreads praticados pelos bancos.

No que diz respeito ao crédito ao consumo, entre julho de 2014 e julho de 2015, verificou-se um aumento de 14% face ao montante e ao número de créditos concedidos. Neste âmbito, a maior subida foi registada quanto ao crédito automóvel, mas a evolução foi generalizada e abrange igualmente a maior concessão de créditos ao consumo sem finalidade específica, cartões de crédito, crédito para educação.

Adicionalmente, o Banco de Portugal revelou recentemente que o crédito malparado se encontra a reduzir relativamente a todos os segmentos de crédito.

No entanto, estes dados carecem de uma análise detalhada para que as pessoas possam tomar decisões ajustadas face ao recurso ao crédito.

Quanto ao crédito malparado, é indispensável compreender que o incumprimento registava máximos históricos, demonstrando que as famílias portuguesas ainda se encontram elevadamente endividadas e com manifesta dificuldade no pagamento das suas prestações de crédito.

Relativamente à maior disponibilidade das instituições de crédito para a concessão de crédito, a Deco recomenda que os consumidores analisem todas as possíveis estratégias que evitem o recurso ao crédito e que, no caso de a decisão recair sobre a contratação destes produtos financeiros, que procedam a uma anterior análise da própria situação financeira e dos produtos disponíveis no mercado que permita uma decisão ajustada.