Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

4 dicas para rentabilizares melhor o teu dinheiro

Gtres
Gtres
Autor: Redação

Artigo escrito por João Morais Barbosa (joao.morais.barbosa@reorganiza.pt), partner da Reorganiza, para o idealista News Portugal, no âmbito da rubrica "Trocado por Miúdos".

O mundo dos investimentos é um mundo desconhecido da generalidade das pessoas. Não que não conheçam vários produtos de aforro mas antes porque não conhecem as potencialidades e riscos de uma parte importante dos ativos disponíveis para rentabilizar o dinheiro. Estando as taxas de juro praticadas pelos bancos nos depósitos a prazo perto de zero, importa conhecer alternativas de poupança, o que faremos neste artigo. De notar, contudo, que não estamos a fazer qualquer recomendação. Com base nesta introdução deverás procurar mais informações para tomar melhores decisões.

  • Certificados de Aforro:

Se procuras um produto isento de risco, o melhor instrumento serão os certificados de aforro. Pelo menos até 2016 irás ter uma taxa mínima de 2.75% ao qual acresce um valor que varia com as oscilações da taxa Euribor. Assim, quando esta taxa começar a subir (talvez no próximo ano) a taxa de retorno irá também subir.

  • Certificados do Tesouro:

Os Certificados do Tesouro são uma forma também muito interessante de emprestar dinheiro ao Estado para horizontes de tempo mais alargado. Se só precisares do dinheiro daqui a cinco ou mais anos, dirige-te a um balcão dos CTT e subscreve estes produtos que podem garantir-te taxas de retorno a rondar os 5%.

  • Fundos de Obrigações:

Os fundos de investimento são outra alternativa de investimento. Se procuras baixo risco poderás investir em fundos que invistam em obrigações de Governos ou Obrigações de Empesas com boa classificação de crédito. De notar que não irás ganhar taxas de juro muito elevadas mas o baixo retorno é o resultado de baixo risco.

  • Seguros de capitalização:

Os seguros de capitalização são mais uma alternativa de investimento que poderás considerar. Na prática, funcionam como se um depósito a prazo se tratassem mas têm o grande atrativo de terem uma taxa de imposto mais reduzida se investires com prazos mais alargados (mais de 5 ou mais de 8 anos). Nota, contudo, que os seguros de capitalização não são garantidos pelo fundo de garantia de depósitos mas antes pelo balanço da companhia de seguros. Tudo para que saibas que apesar de o risco ser perto de zero, ainda assim existirá um risco residual.

Ao investires em produtos de baixo risco não podes esperar ter muito retorno. Na realidade, as alternativas que referimos neste artigo servirão para procurares uma garantia de capital e uma estabilidade de retornos. Se quiseres ganhar mais dinheiro deverás investir em ações e produtos semelhantes… nunca te esqueças que a relação risco/retorno terá sempre de existir, caso contrário poderás ter más experiências!