Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Honorários dos peritos avaliadores “continuam muito baixos face à responsabilidade” que têm

Para Paulo Barros Trindade, presidente da direção da ASAVAL, “honorários indignos” não podem “corresponder a responsabilidade ilimitada”.

Photo by Jonathan Francisca on Unsplash
Photo by Jonathan Francisca on Unsplash
Autor: Redação

Este é um tema para o qual não há um pré-pandemia e um pós-pandemia. Falamos dos honorários dos peritos avaliadores de imóveis, um assunto que na opinião de Paulo Barros Trindade, presidente da direção da Associação Profissional das Sociedades de Avaliação (ASAVAL), “continua a manter-se como um dos centrais na atividade dos peritos avaliadores”. “Os honorários continuam muito baixos face à responsabilidade que os peritos avaliadores assumem no desempenho do seu trabalho”, diz o responsável, em entrevista ao idealista/news.

Sobre a importância do uso de Modelos Automatizados de Avaliação (AVM na sigla inglesa) na atividade de avaliação imobiliária, Paulo Barros Trindade responde de forma clara: “São ferramentas interessantes para apoiar o trabalho dos peritos avaliadores, mas não devem ser vistos como instrumentos que possam substituir o papel dos peritos avaliadores”. 

Paulo Barros Trindade, presidente da direção da ASAVAL / ASAVAL
Paulo Barros Trindade, presidente da direção da ASAVAL / ASAVAL

Como está hoje a profissão de perito de avaliação em Portugal em termos de condições de trabalho e remuneração?

Não obstante já terem existido algumas atualizações nas tabelas de honorários do bancos e fundos de investimento, resultante da campanha de sensibilização que a ASAVAL lançou em 2018, a realidade é que este assunto continua a manter-se como um dos centrais na atividade dos peritos avaliadores. Os honorários continuam muito baixos face à responsabilidade que os peritos avaliadores assumem no desempenho do seu trabalho. Aquilo que defendemos é que os honorários sejam ajustados à responsabilidade que o perito avaliador assume e que honorários indignos não possam corresponder a responsabilidade ilimitada, devendo essa responsabilidade estar balizada por um múltiplo sobre os honorários pagos. 

Como avalia o uso de Modelos Automatizados de Avaliação na atividade de avaliação imobiliária? Quais as vantagens e inconvenientes?

Os denominados AVM são ferramentas interessantes para apoiar o trabalho dos peritos avaliadores, mas não devem ser vistos como instrumentos que possam substituir o papel dos peritos avaliadores. Os AVM facilitam o trabalho de caracterização e de enquadramento do mercado imobiliário onde se insere o imóvel que o perito avaliador está a avaliar, mas a obtenção de um valor de mercado que tenha presente todos os aspetos relacionados com o imóvel em avaliação, só é possível obter com base na experiência e conhecimento de um perito avaliador. 

O recuso a AMV tem vindo a aumentar no mercado nacional, nomeadamente, por força da pandemia?

Os AVM são usados no mercado nacional fundamentalmente pelos investidores para avaliações preliminares de carteiras de imóveis que pretendem adquirir e para as atualizações regulares dos valores dos ativos que as entidades financeiras têm na sua carteira de crédito hipotecário, em especial no setor residencial. 

"Seria impossível adotar os AVM em exclusivo para avaliações imobiliárias, uma vez que a sua aplicabilidade como instrumento de apoio ao perito avaliador só é viável para o setor residencial"
Paulo Barros Trindade

Tal como acontece com a totalidade dos países da Europa, com apenas uma exceção, os AVM não são autorizados para obtenção de valores de mercado para apoiar processos de crédito hipotecário. Atualmente existem vários estudos sobre a qualidade dos AVM existentes na Europa, que defendem esta tese de que estes instrumentos devem ser usados como apoio ao trabalho desenvolvido pelos peritos avaliadores, mas nunca em sua substituição.  

Quais os riscos associados à adoção exclusiva dos Modelos Automatizados de Avaliação no setor imobiliário?

Seria impossível adotar os AVM em exclusivo para avaliações imobiliárias, uma vez que a sua aplicabilidade como instrumento de apoio ao perito avaliador só é viável para o setor residencial. No entanto, e assumindo que estamos a falar do setor residencial, diria que tendo presente que a inspeção ao imóvel é uma das fases mais importantes de uma avaliação imobiliária, o facto dos AVM se basearem apenas num conjunto de dados tratados estatisticamente, elimina a possibilidade de serem integrados no valor aspetos fundamentais, como por exemplo a existência de patologias de construção, de acabamentos muito personalizados e não valorizados pelo mercado ou até aspetos muito específicos da envolvente, que só um perito avaliador experimentado consegue aperceber-se da importância e do impacto que podem ter no valor de mercado, entre muitos outros. 

Um aspeto muito importante da avaliação imobiliária é a identificação correta das áreas do imóvel. Os AVM baseiam-se em amostras recolhidas nas plataformas de anúncio de imoveis para transação, onde o critério de indicação de áreas é o mais díspar possível, o que pode induzir em erros graves que afetam a eficiência e objetividade dos resultados destes instrumentos.